Garrincha, o craque, completaria 70 anos nesta terça-feira

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 28 de outubro de 2003 as 15:19, por: cdb

Manoel Francisco dos Santos, o Mané Garrincha, completaria nesta terça-feira 70 anos. Mané faleceu em 19 de dezembro de 1983, ficando para sempre na memória do Brasil e do mundo como um dos maiores nomes do esporte.
 
Garrincha nasceu em 28 de outubro de 1933, no município de Magé/RJ, bairro de Pau Grande, onde iniciou sua carreira. Mas foi no Botafogo que o jogador se consagrou no futebol, tornando-se um dos maiores ídolos da história do clube, ao lado de Nilton Santos e Zagallo. Pela Seleção Brasileira o jogador disputou e conquistou duas Copas do Mundo, em 1958, Suécia, e em 1962, Chile.

O craque também teve passagens rápidas pelo Corinthians/SP em 66 e pelo Flamengo/RJ, em 68 e 69. Encerrou sua carreira como profissional no Olaria/RJ em 71. Sua despedida com a camisa da Seleção Brasileira foi em 1973, em seu palco preferido, o Maracanã, contra uma Seleção de estrangeiros que atuavam no país. A renda desta partida foi revertida em favor do homenageado.

Garrincha teve publicada sua biografia não autorizada entitulada “Anjo Solitário”, de Ruy Castro. Em outubro deste ano foi lançado o segundo filme sobre sua vida exibido nas telas dos cinemas do Brasil, “Garrincha – Estrela Solitária” de Milton Alencar Júnior. O primeiro filme foi produzido em 1963, chamado de “Garrincha – Alegria do Povo” de Joaquim Pedro de Andrade. Em 1980 o “anjo das pernas tortas” foi homenageado pela Estação Primeira de Mangueira no carnaval carioca.

O jogador teve 14 filhos ao longo dos seu três relacionamentos, com Nair, Elza Soares e Vanderléa. No dia 25 de dezembro de 1980, jogou sua última partida, pelo Londrina/DF x AGAP/DF, em Brasília.
 
Para o Coordenador Técnico da Seleção Brasileira, Zagallo, que foi seu companheiro no Botafogo e Seleção, Garrincha poderia ser resumido em apenas uma palavra: “inesquecível”.