Garoto de 13 anos comete assalto em Minas Gerais

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 17 de setembro de 2003 as 02:09, por: cdb

Dois garotos, um de 13 e outro de 16 anos, armados com um revólver calibre 38, foram detidos pela Polícia Militar ao meio-dia da última terça-feira, assaltando uma casa lotérica no Centro de Belo Horizonte.
O ‘líder’ do ataque, segundo a polícia, seria o adolescente mais novo, que por ser franzino aparenta ter cerca de 9 anos. O fato impressionou os nove funcionários do estabelecimento comercial e os seis clientes que estavam no local na hora do crime, todos rendidos pela dupla.

Na Divisão de Orientação e Proteção à Criança e ao Adolescente (Dopcad), para onde foram levados, o menino de 13 anos foi retirado da cela para falar com uma  equipe de reportagem.
 
Na entrevista, deixou transparecer o seu lado criança ao revelar o seu filme predileto, o infantil ‘Didi, o Cupido Trapalhão’, com o humorista Renato Aragão, mas também demonstrou ser perigoso, ao confessar ser o dono do revólver, como também, capaz de matar alguém.
 
– Matar? Lógico, se pulasse em cima de mim era o jeito – respondeu, friamente.

O garoto de 13 anos contou que encontrou o revólver calibre 38, com capacidade para seis tiros, abandonado em um matagal próximo ao campo de futebol que freqüenta, no Bairro Jardim Teresópolis, onde mora com a avó, em Betim, na Região Metropolitana de BH.
 
– A idéia do assalto foi minha. Chamei o cara para roubar e a gente foi – contou.

O garoto se diz estudioso e que freqüenta a 6ª série do Ensino Fundamental, sem nunca ter sido reprovado. Ele alega ter escondido a arma da sua avó, debaixo de seu colchão, durante um mês, já planejando um assalto. Isso, tenta justificar, para conseguir comprar roupas novas, tênis e um aparelho de telefone celular.
 
– Não tenho ninguém para me dar isso. Eu via os meninos usando, via na televisão, e me deu vontade. Meu pai morreu de derrame e minha mãe foi morta na minha frente, lá em casa. Um homem entrou, atirou nela e foi embora – disse.

Os dois garotos prestaram depoimento à delegada Sônia Maria de Jesus Miranda e foram recolhidos em uma cela da Dopcad. A delegada informa que eles seriam encaminhados ao Juizado da Infância e da Juventude para aplicação de medidas socioeducativas. A pena vai da liberdade assistida à internação em algum centro de recuperação.

A delegada também diz ter ficado impressionada com o ‘jeito criança’ do menino de 13 anos. Segundo ela, quando o menor infrator tem menos de 12 anos, ele é encaminhado diretamente para o Conselho Tutelar.
 
– Esse menino parece ter 9 anos, mas é audacioso por assaltar em plena Avenida Amazonas, uma das mais movimentadas de Belo Horizonte. A gente nunca deve achar que a violência tem tamanho e idade. Ele podia ter atirado e matado alguém – analisa Sônia Maria.

O segurança Alexandre da Silva, 22 anos, diz ter ido à casa lotérica, seu antigo local de trabalho, para receber um pagamento. Quando conversava com o gerente em uma sala, conta que percebeu o assalto, do outro lado, pelo circuito interno de TV.
 
O atual segurança da casa era dominado pelo garoto de 16 anos, que estava armado, enquanto o de 13 pulava com agilidade uma divisória de mais de dois metros de altura, indo direto aos caixas recolher o dinheiro.

– Fiquei horrorizado com o tamanho do assaltante. Eu abri a porta para ajudar o meu colega, mas o menino armado me alertou, me chamou de negão, disse que se eu saísse ia sobrar para mim também – revela Alexandre.

– Se a polícia não chegasse logo, eles poderiam levar até a cueca da gente – acrescenta, lembrando que há dois meses outros dois menores tentaram assaltar o mesmo estabelecimento.

Ainda de acordo com Alexandre da Silva, os garotos levaram uma bolsa para colocar o dinheiro roubado. Uma pessoa que passava pela avenida percebeu o assalto e acionou dois policiais de serviço ali perto. Quando os PMs chegaram, depararam-se com o segurança da casa atracado com o garoto de 16 anos, ten