Furlan aposta em câmbio estável e comércio externo em ascensão

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 8 de março de 2007 as 20:44, por: cdb

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, disse nesta quinta-feira que não existe  perspectiva de grandes mudanças no patamar da taxa de câmbio. É que, segundo ele, o setor privado se adaptou à faixa atual, com o dólar valendo entre R$ 2,10 e R$ 2,15. 

– As exportações continuam crescendo com vigor -, acima de 15%, disse Furlan.

Com isso, acrescentou, o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior mantém a estimativa de US$ 152 bilhões para as exportações deste ano.

Embora as importações estejam com evolução mais forte neste início de ano, ao redor de 26%, o ministro ressaltou  que “ainda há espaço para que esse ritmo continue crescendo”. Ele disse, porém, que isso não ameaça a meta do país de alcançar divisas em torno de US$ 40 bilhões neste ano no comércio internacional. Para justificar o otimismo, Furlan destacou a evolução de dois itens “salutares” para as exportações: qualidade e preços.

Ele citou como exemplo o setor automotivo, que, nos meses de janeiro e fevereiro, exportou menor número de veículos, embora o valor das vendas tenha aumentado porque o setor exportou carros com mais tecnologia, mais sofisticação. Para Furlan, a tendência é que o país exporte mais produtos de maior valor agregado, uma vez que não se pode “ficar eternamente vendendo produtos básicos, ou de baixo valor agregado”.

Ele destacou os esforços do governo para que o país consiga colocar lá fora mais produtos industrializados e o trabalho feito pela Receita e pela Polícia Federal nas alfândegas para coibir a entrada de produtos “pirateados” (imitações de originais) e, com isso, garantir a qualidade das importações.