Funcionários da Fiat fazem greve na Itália

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 11 de outubro de 2002 as 17:55, por: cdb

Os trabalhadores da montadora italiana Fiat SpA estão realizando protestos contra os planos da companhia de demitir outras 8.100 pessoas. A Fiat fez o anúncio sobre os cortes na quarta-feira, em sua última tentativa de manter a estabilidade de sua divisão de automóveis e melhorar as perspectivas de venda da unidade à General Motors ou para outra companhia. Os protestos mais sérios ocorrem na fábrica Termini Imerese na Sicília, Itália, onde 1.800 funcionários deverão perder seus empregos.

Os empregados da fábrica bloquearam estradas durante a semana passada e reiniciaram hoje os protestos, afirma a agência de notícias Ansa. Na sede da Fiat em Turim e ao redor do país, uma “greve branca” de quatro horas teve início no turno da noite e greves similares continuarão no turno da tarde, disse Fernando Liuzzi do sindicato FIOM, principal sindicato dos metalúrgicos.

A adesão dos funcionários à greve afeta 90% da principal fábrica da Fiat de Mirafiori, em Turim, e aproximadamente 80% das divisões de autopeças, que juntas empregam cerca de 17.000 pessoas na Itália que trabalham para o Grupo Fiat, disse o FIOM. Outros 500 trabalhadores próximos de Venaria bloquearam uma estrada principal, disse Giustina Ianelli, porta-voz do FIOM. A Fiat afirma que a participação é pequena.

O porta-voz Raffaelo Porro disse que apenas 25% dos 9.900 funcionários da fábrica de Mirafiori participam da greve. A adesão à greve em outras cidades fica entre 17% e 30%, disse ele. Segundo o Credit Suisse First Boston, as demissões reduzirão os custos com mão-de-obra na Fiat Auto, em 250 milhões de euros (US$ 246,5 milhões) por ano.