Funcionário da Receita foragido se entrega no Rio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 6 de outubro de 2003 as 20:31, por: cdb

O chefe da Delegacia de Administração Tributária da Receita Federal do Rio de Janeiro, José Góes Filho, se apresentou no início da noite desta segunda-feira à Superintendência da Polícia Federal do Estado do Rio de Janeiro. José Góes Filho é um dos principais suspeitos do esquema de recebimento de propina em troca do cancelamento de dívidas de empresas com a Receita Federal, que pode ter desviado cerca de R$ 1 bilhão dos cofres públicos.

Após o depoimento, ele será levado ao Instituto Médico Legal (IML) para exame de corpo de delito, e em seguida será encaminhado para a carceragem do Ponte Zero, em Benfica, onde ficará temporariamente preso.

Góes negou envolvimento com o esquema e disse que seu nome foi integrado na lista dos supostos envolvidos no esquema por questões políticas. De acordo com a CBN, ele criticou o trabalho do corregedor-geral da Receita, Moacir Leão, afirmando que está sendo feito “um verdadeiro espetáculo” em relação às suspeitas de cancelamento de dívidas com a União.

Para ele, Moacir Leão está agindo de forma equivocada. “As responsabilidades serão apuradas. Eu estou sendo preso, tudo bem, mas depois vai ter o troco” declarou, dizendo que as provas que o levaram à prisão são inconsistentes.

Os advogados de quatro acusados de envolvimento no escândalo tiveram hoje uma com o juiz da 3ª Vara Federal Criminal, Lafredo Lisboa. Os quatro suspeitos, que tiveram o mandado de prisão prorrogado na sexta-feira passada pela Justiça Federal, deverão se apresentar até esta terça à Superintendência da PF. Estiveram na Justiça Federal os advogados de Graciete Barbosa da Silva, Vera Lucia da Gama Quintella, Anthero Gonçalves Filho e José Góes Filho.