Funcionalismo público precisa ser tratado com respeito e decência, diz Lula

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 12 de janeiro de 2005 as 20:53, por: cdb

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva elogiou hoje o servidor público brasileiro, que, segundo ele, desde a década de 90, “é considerado sinônimo de coisa ruim”. Lula destacou, ao sancionar o projeto de lei que cria o Plano de Carreira de Cargos Técnico-Administrativos em Educação, no Palácio do Planalto, que a sociedade brasileira precisa tratar o funcionalismo público “com respeito e decência”.

Lula disse que todos os que conhecem a máquina administrativa do estado têm motivo para se orgulhar do servidor público brasileiro. “A iniciativa privada tem fama de que trabalha muito e não ganha tanto, ao contrário dos servidores, que têm fama de que ganham muito e trabalham pouco. Isso durante 10 anos foi vendido para a sociedade brasileira, quando, no serviço público, trabalha-se muito e formam-se profissionais da mais alta competência”, afirmou o presidente.

Em discurso para sindicalistas, no Palácio do Planalto, o presidente disse que, ao sancionar o projeto de lei que cria o Plano de Carreira de Cargos Técnico-Administrativos em Educação, o governo está dando um passo importante. Ele ressaltou, no entanto, que ainda há muito para se fazer para reconhecer “como digno” o trabalho do servidor.

“Eu não espero que vocês estejam contentes, sempre achando que está tudo resolvido, porque o dia em que vocês chegarem a essa conclusão, não tem razão mais de ter sindicatos. O que eu quero é que a gente não perca o bom senso para estabelcer todas as discussões possíveis e até as impossíveis até que a gente possa ir subindo degrau por degrau e construir uma base sólida em que a máquina pública seja tratada dignamente por qualquer que seja o governo”, ressaltou.

Lula reiterou que, desde a Proclamação da República, 2004 foi o primeiro ano em que o governo conseguiu fazer acordo com todos os sindicatos de servidores públicos. “Muitas vezes se lê na imprensa que esses governo fala que é tudo a primeira vez, mas é quase tudo a primeira vez . Por exemplo, é a primeira vez que acontece um ato como este em muito anos de República”, finalizou.