Freira leu a Bíblia antes de ser assassinada no Pará

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 14 de fevereiro de 2005 as 10:15, por: cdb

A freira americana Dorothy Stang chegou a ler trechos da Bíblia para os pistoleiros que a assassinaram na manhã do sábado, no Pará, segundo uma testemunha, um agricultor que estava com a religiosa no momento do assassinato, em depoimento ao Fantástico, da TV Globo.

Os bandidos teriam rendido Dorothy e perguntado se ela tinha alguma arma. A testemunha, que não quis ser identificada, contou que a freira disse que a única arma que trazia era a Bíblia, tirando, em seguida, o livro da bolsa e lendo trechos de três capítulos para os assassinos. Após escutarem a leitura, a testemunha disse que os bandidos começaram e atirar em Dorothy.

O secretário de Direitos Humanos, ministro Nilmário Miranda, afirmou, neste sábado, que os responsáveis pela morte da missionária Dorothy Stang, 73 anos, são dois pistoleiros conhecidos por Eduardo e Pogoió, que teriam assassinado a freira a pedido de um intermediário conhecido por Tinair.

Os agricultores que estavam com a freira fugiram correndo pela mata. Segundo o Instituto Médico-Legal de Belém, que examinou o corpo, Dorothy foi atingida seis tiros. O corpo da religiosa chegou a Belém na tarde de domingo e foi liberado pelo Instituto Médico Legal da cidade, à noite. O avião que levou o corpo de Anapu para Belém teve de fazer uma parada de emergência em uma fazenda da região por causa do mau tempo, o que atrasou o translado.

A corpo da religiosa foi velado durante a noite de domingo em Belém e seguiu para Altamira (Pará), nesta segunda-feira. O enterro será realizado nesta terça-feira am Anapu, no Oeste do Pará onde Dorothy vivia. Em entrevista gravada no ano passado e mostrada no programa da TV Globo, Dorothy disse não acreditar que as ameaças de morte que vinha sofrendo fossem reais.

– É leviano. Não é sério. Eles não teriam coragem – disse a freira.

A irmã da freira, Margareth, que vive em Fairfax, no estado de Virgínia, nos Estados Unidos, disse que a maior homenagem que o governo brasileiro pode fazer à Dorothy, é realizar uma investigação séria para punir os responsáveis pelo assassinato.