França quer Bush na votação sobre a guerra contra o Iraque

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 8 de março de 2003 as 17:19, por: cdb

A França reforçou neste sábado seu pedido para que o presidente norte-americano, George W. Bush, compareça à votação da semana que vem na Organização das Nações Unidas sobre a guerra contra o Iraque, insistindo que os líderes assumam responsabilidade pessoal de uma decisão de “vida ou morte.”

O pedido ocorre no momento em que Paris decidiu enviar no domingo seu ministro das Relações Exteriores, Dominique Villepin, a três países africanos – Angola, Camarões e Guiné – para tentar fazer com que rejeitem a proposta de resolução apoiada pelos Estados Unidos, estabelecendo o dia 17 de março como prazo final para o Iraque se desarmar.

“Quando se decreta a vida ou a morte, isso deve ser feito como o mais alto nível de responsabilidade”, disse uma fonte próxima do presidente Jacques Chirac acerca da decisão sobre a nova resolução, prevista para ocorrer na próxima terça-feira ou logo depois.

“Devido à importância da decisão, parece legítimo que seja tomada por chefes de Estado e de Governo,” disse a fonte do Palácio Eliseu.

O secretário de Estado Colin Powell afirmou não ver necessidade para que Bush compareça, depois de Villepin ter feito a proposta na sexta-feira.

Mas autoridades francesas insistiram que a proposta não tinha por objetivo isolar Bush e argumentaram que ele ganharia comparecendo à sessão, que, com a presença de líderes mundiais efetivamente tornaria-se uma mini-cúpula sobre o Iraque.

“Isso é em um espírito de conciliação, e não de agressão. É provavelmente do interesse dele aceitar, ele não necessariamente se sentirá isolado”, disse uma autoridade, acrescentando que a França já estava discutindo a idéia com outros membros do Conselho de Segurança.

Villepin expressou a oposição da França a qualquer ultimato para o desarmamento na sexta-feira, lembrando que o chefe dos inspetores de armas da ONU, Hans Blix, havia dito em seu último relatório que o Iraque estava oferecendo maior cooperação.

As autoridades francesas disseram que Paris estava confiante na posição contrária à resolução apoiada pelos EUA, Grã-Bretanha e Espanha, da maioria dos membros do conselho.