França diz que nova proposta para o Iraque é um progresso

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 13 de outubro de 2003 as 15:32, por: cdb

O ministro de Relações Exteriores da França, Dominique de Villepin, afirmou nesta segunda-feira que os Estados Unidos fizeram progresso ao divulgar uma versão modificada da resolução para o Iraque, mas que ainda não sabe se ela é suficiente para resolver a situação no país.
De acordo com fontes diplomáticas na ONU, os Estados Unidos começaram a circular a versão modificada nesta segunda-feira.

Villepin participou de um encontro de ministros de Relações Exteriores dos países da União Européia, em Luxemburgo, que confirmaram a doação de fundos para a reconstrução do Iraque suficientes para um período de 12 a 18 meses.

Valores específicos não foram anunciados, mas a União Européia já havia prometido cerca de US$ 230 milhões.

Votação

No mesmo encontro em Luxemburgo, o ministro britânico de Relações Exteriores, Jack Straw, disse esperar que uma votação sobre a nova versão da resolução ocorra ainda nesta semana, segundo informações de um diplomata que participava da reunião.

O novo texto a ser apresentado pelos Estados Unidos leva em consideração algumas das preocupações levantadas em relação à primeira versão, que não conseguiu apoio suficiente junto aos demais membros do Conselho de Segurança.

A proposta original pedia a elaboração de uma Constituição e a realização de eleições antes que o poder fosse transferido para os iraquianos.

O novo texto deve ser apresentado com o apoio da Grã-Bretanha e da Espanha.

Mas França e Alemanha, integrantes da ala antiguerra na Europa, querem que a ONU tenha um papel mais forte na administração do Iraque e pedem uma transferência rápida de poder aos iraquianos.

“Nós esperamos que uma nova dinâmica esteja presente no novo texto e que reflita os nossos pedidos”, disse o chanceler alemão Gerhard Schroeder, no domingo, depois de se encontrar com o presidente francês Jacques Chirac.

Doadores

Os Estados Unidos também têm planos de apresentar a resolução durante uma conferência de doadores em Madri, na Espanha, no dia 24 de outubro, com o objetivo de levantar parte dos US$ 55 bilhões que o Banco Mundial diz serem necessários para a reconstrução do Iraque.
Além da ajuda prometida pelos ministros da União Européia, os países-membros poderão fazer doações adicionais separadamente.

O ministro britânico disse aos outros ministros europeus nesta segunda-feira que a Grã-Bretanha vai doar US$ 910 milhões para a reconstrução do Iraque em um período de três anos, incluindo contribuições para UE e outros fundos.

Straw fez um apelo para que outros países também contribuam, mas a Holanda afirmou que já forneceu tropas e que não vai ajudar com dinheiro. A Alemanha declarou que ainda não tomou uma decisão sobre o assunto.