Fracasso da gestão Alckmin agora é no metrô!

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 31 de agosto de 2011 as 11:38, por: cdb

Parece que nada dá certo no governo tucano paulista de Geraldo Alckmin!  Agora o erro, o fracasso e o prejuízo vêm duplamente para os milhões de usuários diários do metrô paulistano.

Num só dia a companhia do metropolitano foi obrigada a suspender o contrato para instalação de portas em uma dúzia de estações da linha 3-Vermelha (Barra Funda-Itaquera). E “por vício de ilegalidade”, o Ministério Público Estadual (MPE-SP) recomendou a suspensão dos contratos de prolongamento da Linha 5-Lilás (Chácara Klabin-Adolfo Pinheiro).

A conclusão de implantação dessas portas na Linha 3 está só com um ano e dois meses de atraso – a previsão para entrega da obra era junho de 2010. O “vício de ilegalidade” apontado pelo MPE-SP na Linha 5 foi descoberto desde abril de 2010.

Contratos de forma legal podem levar a economia de R$ 300 milhões

Naquela ocasião a Folha de S.Paulo, com um documento com firma reconhecida em cartório provou que havia indícios de formação de cartel por parte das empreiteiras e consórcios que tocariam a obra.

A recomendação do MPE-SP para que os contratos da Linha-5 (obras no valor de R$ 4 bi) é assinado por quatro promotores. A Promotoria afirma que, ouvidas testemunhas, descobriu que se fossem seguidos outros critérios (legais) de contratação, poderia haver uma economia de até R$ 300 milhões na extensão da linha.

O metrô paulistano tem 30 dias para se manifestar sobre o pedido de fim de contrato feito pelo MPE-SP. Mas, já se antecipou e informou à Folha de S.Paulo que como a solicitação não tem força legal para barrar o empreendimento “a companhia tem plena convicção da decisão de continuar as obras”. Acompanhem, também, a nota abaixo Trapalhadas vem desde administração José Serra.