Fóruns sociais espalham-se pelo Brasil e o mundo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 1 de outubro de 2003 as 22:18, por: cdb

A realização de fóruns sociais regionais e temáticos em diversas partes do planeta consolida neste fim de ano o processo de mundialização do Fórum Social Mundial (FSM), evento que ocorreu anualmente em Porto Alegre desde 2001 e que 2004 acontece na Índia.

Promovidos por organizações e movimentos locais, esses fóruns sociais macro-regionais, nacionais, micro-regionais e temáticos, além de confirma o FSM como um processo de construção de alternativas globais para o chamado pensamento neoliberal, permitem o aprofundamento das discussões da agenda FSM sob uma perspectiva mais “doméstica”, explica Fátima Mello, membro da Secretaria Internacional do Fórum Social Mundial.

Apenas no Brasil, ocorrem fóruns sociais micro-regionais em Natal (RN), Rio de Janeiro e São João Del Rei (em outubro), além do Fórum Social Brasileiro, de caráter nacional (em novembro). Em outubro também acontecem o Fórum Social Uruguai, Fórum Social Paraguai, Fórum Social de Mallorca (na Espanha), o Fórum Social Irlandês e o Fórum Social Santafesino (na Argentina).

Em novembro, o evento ligado ao FSM mais importante depois do encontro de Porto Alegre é o segundo Fórum Social Europeu, que acontece em Paris. Por fim, fecha o calendário deste ano o Fórum Social Aotearoa/Nova Zelândia, em Wellington.

Desde a sua primeira edição em 2001, o Fórum Social Mundial (FSM), evento que surgiu como contraponto ao Fórum Econômico Mundial (Fórum de Davos) e que, desde então, reuniu centenas de organizações e ativistas contrários à chamada globalização neoliberal em seus encontros anuais em Porto Alegre, se transformou em um dos maiores movimentos mundiais de debate sobre justiça global.

Compreendendo uma pauta ampla de questões como direitos humanos, luta contra a guerra e pela paz, economia solidária, gênero, soberania alimentar, entre outros, o FSM vem mobilizando um número cada vez maior de pessoas sob lema “um outro mundo é possível”.
Além de fortalecer o processo FSM, os fóruns regionais e nacionais permitem a integração ao fórum mundial dos movimentos e organizações que têm dificuldades (financeiras e de distância) de participar do encontro geral do FSM, avalia Salete Camba, membro do comitê organizador do Fórum Social Brasileiro.

Segundo ela, além de discutir pautas para implementação local, muitos dos eventos menores funcionam como preparatórios dos maiores. “Os fóruns Rio e Potiguar, em Natal, serão preparatórios do Fórum brasileiro, e o Fórum Social Brasileiro será preparatório do FSM 2004 na Índia. É uma forma de transformar o debate local em subsídio para o global”, explica.