Fórum deve discutir previdência para 2050, defende Força Sindical

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 10 de fevereiro de 2007 as 14:43, por: cdb

O Fórum Nacional de Previdência Social deverá discutir o modelo de seguridade social para os próximos 50 anos, defende João Inocentini, presidente do Sindicato Nacional dos Aposentados e Pensionistas, ligado à Força Sindical. Inocentini quer uma discussão séria sobre o sistema previdenciário brasileiro para que problemas atuais e futuros possam ser resolvidos.

– Nós queremos que cada um assuma a sua responsabilidade. Nós queremos discutir uma previdência agora, uma previdência para os nossos filhos e para os nossos netos. Nós temos de prever uma previdência, pelo menos, até o ano 2050.

Segundo o ministro da Previdência Social, Nelson Machado, o Fórum, que deverá ter duração de seis meses, fará um diagnóstico e levantará propostas de consenso para solucionar problemas como o déficit da Previdência. O Fórum reunirá representantes das centrais sindicais, federações e confederações patronais e de trabalhadores e dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.

Para o presidente do sindicato, que também, participará do Fórum, nesse novo espaço de discussão deverão surgir muitas idéias e propostas.

– Se a população entender o papel da importância da previdência social, algumas partes terão que ceder. E acredito que pode surgir um grande acordo e uma grande previdência social

O sindicalista propõe que seja criada uma previdência social única, igual para todos, de modo a diminuir as diferenças. Ele cita como exemplo o caso de juízes que ultrapassam o teto de R$ 20 mil e se aposentam com um salário superior a R$ 30 mil.

– São um milhão de pessoas que consomem 32% da receita. Isso para mim é um grande privilégio e não pode continuar. Se nós queremos uma previdência decente para nosso filhos e netos, nós temos que acabar com esses privilégios – explica.

Ele irá propor uma discussão sobre a fixação de um teto comum durante o Fórum. Inocentini disse ainda que o trabalhador deve ter o direito de optar se ele se aposenta por tempo de contribuição ou de serviço.