Forças dos EUA libertam dois reféns de piratas na Somália

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 25 de janeiro de 2012 as 13:17, por: cdb

Forças dos EUA libertam dois reféns de piratas na Somália

Por Abdi Sheikn

MOGADÍSCIO, 25 Jan (Reuters) – Forças especiais dos Estados Unidos fizeram uma investida na Somália nesta quarta-feira e resgataram uma norte-americana e um dinamarquês após um tiroteio com os piratas que os mantinham reféns, em uma rara operação dentro do país africano para libertar prisioneiros estrangeiros.

Os trabalhadores humanitários Jessica Buchanan, dos EUA, e Dane Poul Hagen Thisted, da Dinamarca, foram sequestrados na cidade de Galkayo, na região semi-autônoma de Galmudug em outubro, enquanto trabalhavam para o grupo dinamarquês Danish De-mining Group (DDG), que desativa minas.

“Esta é mais uma mensagem ao mundo que os Estados Unidos estarão fortemente contra quaisquer ameaças ao nosso povo”, disse o presidente norte-americano, Barack Obama, em comunicado.

Helicópteros militares transportaram tropas de elite para o campo perto de Haradheere, uma base pirata importante na região central da Somália, disse o comando africano de Washington (Africom), sediado na Alemanha, em comunicado.

“Todos os nove sequestradores foram mortos durante a operação”, disse.

O secretário de Defesa dos EUA, Leon Panetta, confirmou que nenhum soldado norte-americano foi morto na operação.

O Conselho de Refugiados Dinamarquês disse que Buchanan e Thisted foram levados para um local seguro. Relatos da mídia disseram que eles tinham sido levados para o vizinho Djibuti, que abriga a única base militar dos EUA na África e a maior base da França no continente.

Gangues de piratas somalis tipicamente sequestram navios no Oceano Índico e no golfo de Aden e mantêm as tripulações até que recebam um resgate. O sequestro de trabalhadores humanitários em Galkayo foi um caso incomum de uma gangue de piratas ter realizado um rapto em terra.

(Reportagem adicional de Mohamed Ahmed, em Mogadíscio; John Acher e Mette Fraende, em Copenhaguen; David Clarke, em Nairóbi; e Eric Beech, em Washington)

Reuters