FMI acredita que o tempo dirá se medidas nacionalistas prosperam

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 4 de maio de 2006 as 08:48, por: cdb

O impacto econômico dos movimentos nacionalistas de esquerda na região dos Andes, na América do Sul, vai depender de quanto tempo essas políticas anti-mercados vigorarão, disse Anne Krueger, segunda pessoa mais importante na hierarquia do Fundo Monetário Internacional (FMI).

– O impacto nesses países dependerá em grande medida se seus governos retomarão a razão antes ou depois de que se tenha causado muito dano – disse ela.

Krueger, primeira vice-diretora-gerente do FMI, comentou os últimos desdobramentos na região após um discurso em Vancouver para o Frasier Institute, de orientação direitista. O recém-empossado governo de esquerda na Bolívia nacionalizou o setor de energia do país nesta semana em uma medida que alarmou investidores e alguns de seus vizinhos na América do Sul. A decisão, no entanto, foi comemorada pela maioria indígena e pobre do país.

Há expectativa de que a nacionalização boliviana aumente a pressão por medidas similares no Peru e no Equador, mas Krueger minimizou o impacto fora dessa região.

– Não estou certa quão grande será o impacto regional. Brasil, Chile e Uruguai parecem estar seguindo políticas sensatas e razoáveis e parecem estar imunes a qualquer coisa que aconteça nos países andinos – disse.

O Brasil é o maior comprador do gás boliviano e a Petrobras anunciou o cancelamento de seus investimentos no país vizinho. A decisão do presidente boliviano, Evo Morales, vem depois de uma grande intensificação do controle estatal sobre o setor de petróleo na Venezuela, promovida pelo presidente deste país, Hugo Chávez, principal aliado externo de Morales.

– É claro que a Venezuela é diferente porque a razão pela qual pode fazer o que está fazendo é o alto preço do petróleo – disse Krueger.