Flu vence América em virada heróica e se mantém vivo na Libertadores

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 23 de março de 2011 as 23:27, por: cdb
Fred, Gum e Digão comemoram o primeiro de uma série de três gols na partida contra o América do México
Fred, Gum e Digão comemoram o primeiro de uma série de três gols na partida contra o América do México

Sem Muricy Ramalho, o Fluminense fez uso da jogada aérea – grande marca do trabalho do ex-treinador – para vencer a primeira partida na Copa Santander Libertadores. Com gol nos últimos minutos marcado por Deco, que fez sua estreia na temporada, o Tricolor bateu o América, numa virada heróica,por 3 a 2, no Engenhão, e ainda sonha com a classificação.

A vaga nas oitavas de final parecia improvável até os 42 minutos, quando Deco fez o terceiro gol. Agora, o Fluminense chega a cinco pontos e diminui a distância para o América, que tem seis e está na vice-liderança – o líder do grupo é o Argentino Juniors, com sete. O grande problema tricolor é a sequência. Por já ter enfrentado todos os rivais do grupo no Rio de Janeiro, decidirá a vaga contra o Nacional, em Montevidéu, e depois contra o Argentino Juniors, em Buenos Aires.

Tática

Pressionar desde o início. Esta foi a tática adotada pelo Fluminense no Engenhão. Logo aos dois minutos, Souza bateu falta do lado esquerdo e assustou o gol de América. O Tricolor criou nova oportunidade perigosa aos nove minutos, em chute de longe de Valencia. A bola saiu sobre o gol de Novarrete. O futebol ofensivo, no entanto, causou buracos na defesa, que falhou aos 14 minutos e viu o América aproveitar. Rojas descolou lançamento em direção à grande área e Ricardo Berna saiu. No alto, porém, foi tocado pelo zagueiro Digão e perdeu a bola. Sánchez pegou a sobra e bateu para o gol vazio.

Os jogadores reclamaram de falta em Berna, mas não foram ouvidos pela arbitragem. Pressionado pela eminente eliminação na fase de grupos, o Fluminense empatou em seguida, aos 20. Conca avançou pela direita e conseguiu bom cruzamento na cabeça de Gum. Ajudado pelo goleiro, que saiu todo atrapalhado, o camisa 3 desviou de cabeça e igualou tudo.

Com o placar em 1 a 1, os times não fizeram mais no primeiro tempo. O Fluminense controlou a posse de bola e acuou o América, que nem saída para o contra-ataque teve. Mas nem por isso o time carioca teve oportunidade de virar o jogo. Souza teve a última chance de marcar, em chute de longe defendido pelo goleiro mexicano. Nos acréscimos, Montenegro bateu forte e parou em Ricardo Berna.

Futebol envolvente

A etapa final não trouxe um futebol envolvente para nenhum dos lados. O Fluminense ainda foi prejudicado com a lesão inesperada de Mariano, que pediu para deixar o campo aos seis minutos. Desesperado pelo resultado, Enderson Moreira apostou na entrada de Deco, que assim fazia sua estreia em 2011. Souza passou a atuar como lateral pela direita e abriu espaço para Deco no meio. O Fluminense pode até ter ganhado em qualidade de passe, mas perdeu em velocidade e agressividade. Tanto que passou a usar as jogadas pela esquerda, com Carlinhos e Conca.

Mesmo assim, não deu resultado. O América se fechou ao máximo em frente à área e congestionou o local. Sem dar espaços ao quarteto ofensivo tricolor, os mexicanos cozinharam ao máximo a partida, trocando passes de um lado para outro. No desespero, o Flu apostou na entrada de Rafael Moura na vaga de Emerson, sumido em campo.

A troca de passes do América deu resultado aos 28 minutos. Sánchez recebeu pela esquerda e tentou o cruzamento. A bola enganou Ricardo Berna e o zagueiro Digão, mesmo com a melhor as intenções, desviou contra o próprio gol, fazendo o gol dos visitantes e calando o Engenhão.

Deco

Um minuto depois do gol sofrido, Enderson Moreira colocou Araújo, última estrela no banco do Fluminense. O atacante substituiu Júlio César, abriu ainda mais o time, mas contou com sua estrela para empatar a partida aos 34 minutos. Deco cruzou pelo lado direito e colocou na cabeça de Araújo, que desviou e manteve as esperanças cariocas.

O gol de empate incendiou a partida. Três minutos depois, Fred recebeu na meia-lua e arriscou o chute colocado. A bola foi em direção ao ângulo esquerdo, mas saiu sobre o gol. A redenção tricolor chegaria aos 42 minutos, em mais uma jogada truncada ao melhor estilo Muricy. Após lançamento do campo de defesa, Fred dividiu com o zagueiro pelo alto. A bola sobrou para Deco. Dentro da área, o meia tocou de pé direito e encobriu Novarrete.

O próximo compromisso do Fluminense pela Libertadores é daqui duas semanas, contra o Nacional, às 22h, em Montevidéu. Uma vitória é crucial para manter as chances de classificação. Já o América, no mesmo dia, recebe o Argentinos Juniors, na Cidade do México.

Ficha Técnica

Fluminense 3 x 2 América-MEX

Local: Estádio Engenhão, Rio de Janeiro
Árbitro: Antonio Arias-PAR
Assistentes: Milcíades Saldívar-PAR e Darío Gaoana-PAR
Cartões Amarelos: Gum, Fred (Fluminense); Olivera, Rojas (América-MEX)
Gols: Gum aos 20’/1T, Araújo aos 34’/2T e Deco aos 42’/2T (Fluminense); Sánchez aos 14’/1T e Digão, contra, aos 28’/2T (América)

Fluminense
Ricardo Berna; Mariano (Deco), Gum, Digão e Julio Cesar (Aráujo); Valencia, Diguinho, Souza e Conca; Emerson (Rafael Moura) e Fred.
Técnico: Enderson Moreira.

América
Novarrete; Layún, Cervantes, Valenzuela e Rojas; Rosinei, Pardo, Olivera (Reyna) e Montenegro; Vuoso (Esqueda) e Sánchez.
Técnico: Carlos Reinoso.