Fla vence Cruzeiro por 3 a 0

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 18 de junho de 2003 as 22:50, por: cdb

Desta vez não valeu título, mas ficou a sensação do dever cumprido. Ou melhor, da vingança sacramentada. O “mistão” do Flamengo conseguiu seu segundo triunfo consecutivo no Campeonato Brasileiro – havia vencido o Vasco – ao derrotar, por 3 x 0, o também desfalcado Cruzeiro na noite desta quarta-feira, no Maracanã.

Após amargar o vice-campeonato da Copa do Brasil – empate no Maracanã e derrota no Mineirão – o torcedor rubro-negro agora pode comemorar a ascensão da equipe na tabela do Brasileirão, onde pulou da 15ª para a oitava colocação, com 20 pontos. Já o campeão Cruzeiro se manteve na liderança da competição, com 25 pontos, mas está há dois jogos sem vencer (antes empatara com o Atlético-MG em 0 x 0) e sem marcar gols.

O jogo começou morno, com as duas equipes pouco interessadas em atacar. De repente, o Flamengo acordou e pressionou o Cruzeiro com uma verdadeira blitz. Aos 16 min, Igor arriscou da entrada da área, assustando o goleiro Gomes. No minuto seguinte, empurrado pela torcida, o Rubro-negro abriu o placar: Cássio cruzou da esquerda e Zé Carlos completou para o fundo do gol.

Acuado, o time mineiro apenas assistia ao Flamengo jogar. E nem o mais otimista torcedor rubro-negro imaginava que o segundo gol sairia em seguida. Aos 19 min, em jogada semelhante, Cássio foi à linha de fundo e cruzou. A bola resvalou em Thiago e encontrou Jean, livre no segundo pau, que escorou de canela, no susto.

Aos poucos a Raposa equilibrou o jogo, mas era nítido que a equipe se ressentia das ausências de Alex e Aristizábal, que estão defendendo as Seleções Brasileira e Colombiana na Copa das Confederações. O primeiro lance de real perigo para o gol de Diego foi construído aos 36 min, quando Maicon entrou driblando pela direita e chutou de bico. A bola bateu em André Bahia, mas Diego conseguiu espalmar a córner.

Antes de o árbitro Lourival Dias Filho encerrar a etapa inicial, o Cruzeiro teve a segunda chance de diminuir. Aos 44 min, Maicon cruzou e Deivid cabeceou para fora, à esquerda do gol de Diego.

No segundo tempo, o primeiro fato de destaque foi um início de confusão na área do Flamengo. Fabiano Eller foi cabecear e acabou atingido no rosto por um chute de Kanu. O rubro-negro Fernando foi tirar satisfação, o cruzeirense Luisão defendeu o companheiro e foi instaurada a troca de tapas e empurrões, que só terminou com a chegada da “turma do deixa disso”.

Eficiente nos contra-ataques, o Flamengo sepultou as esperanças do Cruzeiro aos 21 min, quando Jônatas arriscou de fora da área, a bola desviou em Thiago e encobriu Gomes. Quatro minutos depois, Márcio, que entrara no lugar de Zinho, foi expulso ao cometer falta violenta em Fabinho.

A partir daí, os cerca de cinco mil rubro-negros que estiveram no Maracanã debochavam do Cruzeiro e regiam o time do Flamengo com gritos de “olé”.

FLAMENGO 3 x 0 CRUZEIRO

Flamengo
Diego, Luciano Baiano, Fernando, André Bahia e Cássio; Fabinho, Jônatas, Fabiano Eller e Igor (Ibson); Jean (Fernando Baiano) e Zé Carlos
Técnico: Nelsinho Baptista

Cruzeiro
Gomes, Maicon, Thiago, Luisão e Leandro; Augusto Recife (Felipe Mello), Maldonado (Kanu), Wendell e Zinho (Márcio); Deivid e Mota
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

Data: 18/6/2001 (domingo)
Local: estádio Maracanã
Público: 5.670 pagantes
Renda: R$ 60.635
Juiz: Lourival Dias Lima Filho (BA)
Cartões amarelos: Fabiano Eller, Jônatas (Flamengo); Maldonado, Felipe Mello, Kanu, Márcio (Cruzeiro)
Cartão vermelho: Márcio (Cruzeiro)
Gols: Zé Carlos, aos 17 min, Jean, aos 19 min do primeiro tempo; Jônatas, aos 21 min do segundo tempo