Fiscais apreendem 200 quilos de moluscos pescados de reserva ambiental

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 30 de outubro de 2006 as 15:45, por: cdb

Duzentos quilos de moluscos apreendidos na madrugada deste domingo foram incinerados nesta segunda-feira por fiscais do Instituto Estadual de Florestas (IEF), por falta de condições de conservação, já que são alimentos altamente perecíveis. A carga representa mais de oito mil unidades da espécie conhecida como “pepino do mar” e foi pescada ilegalmente no recém-criado núcleo de preservação ambiental de Paraty-Mirim, na costa verde fluminense. Cinco pessoas foram presas e autuadas na lei de crimes ambientais, quando transportavam os moluscos para restaurantes de São Paulo. As detenções foram fruto de denúncia anônima.

O presidente do IEF, Maurício Lobo, disse que a pesca predatória continuará a ser combatida.

– Acho que tudo é possível fazer na retirada da natureza, desde que se faça o manejo adequado. O problema é uma retirada dessas, feita de forma predatória, sem nenhum manejo, como respeito à época de reprodução e tamanho adequado -, observou.

– É importante que o público conheça e tenha mais informações sobre os cuidados necessários. A gente espera desbaratar uma rede de pessoas que depredam a natureza -, completou.

O pepino do mar vive em áreas conservadas, sem poluição, e é amplamente usado na indústria de cosméticos. Segundo Lobo, muitos produtos da biodiversidade do país ainda estão sendo descobertos e uma das alternativas para estudos e comercialização é a criação em cativeiro, sem agredir a natureza.

– É importante preservar. Isso é um patrimônio não só do estado, mas de todo o Brasil -, disse.

Essa foi a primeira apreensão de pesca predatória na região. O núcleo de Paraty-Mirim é considerado um ponto estratégico de entrada para a área de preservação ambiental do Saco do Mamanguá, que faz limite com a reserva ecológica de Joatinga. Até agora, a área estava ameaçada por invasões.