Fique linda e longe do bisturi

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 25 de março de 2003 as 17:32, por: cdb

Procurando uma “poção mágica” para diminuir a flacidez da pele e amenizar as rugas superficiais, adiando por mais tempo a cirurgia plástica?

A nova substância adotada pelos dermatologistas é o DMAE (abreviação de dimetilaminoetanol, presente em peixes como o salmão e a sardinha) e que tensiona os músculos que ficam logo abaixo da pele. Na verdade, o “milagre” prometido é sutil, mas ajuda a esticar a pele próxima aos lábios, do contorno dos olhos, das laterais do rosto e do pescoço.

“A vantagem é ser de uso tópico. Pelo menos nas peles que não tenham flacidez avançada, geralmente até os 40 anos, o bisturi pode ser deixado para mais tarde”, explica a dermatologista Patrícia Rittes, de São Paulo. Em peles mais jovens, entre 25 e 30 anos, a substância tem função preventiva.

Além dos limites do rosto

Alguns médicos têm prescrito o DMAE também para o corpo, mas há aqueles que preferem aguardar estudos conclusivos sobre o uso em áreas mais extensas. “Ainda não se sabe como o organismo pode reagir a grandes quantidades da substância”, alerta a dermatologista Ana Paula Farias Jorge, de São Paulo.

Músculos fortes

Seu mecanismo de ação também não foi comprovado, mas acredita-se, segundo a dra. Patrícia, que ele aumente os níveis de acetilcolina (essa substância existe naturalmente no organismo e participa da contração muscular, mas tem seus níveis reduzidos com o passar dos anos) nas membranas celulares.

Por ter efeito cumulativo, a tendência é que, com o uso, os músculos fiquem mais fortes. “No segundo mês, com aplicações diárias pela manhã e à noite, já é possível a paciente notar melhora. Mas estudos mostram que são necessários quatro meses para que a pele fique mais firme. Efeito que dura por mais oito meses, quando o tratamento deve ser retomado”, informa a dra. Ana Paula Farias.

Uma arma a mais

Apesar da euforia causada pela nova substância, os especialistas avisam que ela não é tão poderosa a ponto de descartar outros tratamentos antienvelhecimento. Por isso, é usada em fórmulas manipuladas com ácido hialurônico (hidratante), retinol (regenerador celular), vitaminas D (hidratante), C e E ou ácido alfalipóico (antioxidantes).

Porém, a dra. Patrícia ressalta ser importante a mistura não alterar o pH do DMAE, ou a penetração na pele é prejudicada. “Para não correr risco, prescrevo manipulações de DMAE puro, apenas associado a um veículo cremoso”.

O pote (30g) do creme manipulado custa de R$ 24 (DMAE puro com concentração de 3%) até R$ 100 (dependendo da concentração e se existem outros princípios ativos).

Remédio que virou cosmético

Na medicina, o DMAE era usado via oral para resolver problemas neurológicos. Mas foi abandonado para esse fim por provocar rigidez muscular.

O efeito colateral despertou a atenção do médico americano Nicholas Perricone, professor de dermatologia que, então, iniciou as pesquisas para descobrir sua ação no tratamento para a pele.

Comments are closed.