Fiocruz isola dez casos da dengue tipo 3

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 25 de janeiro de 2002 as 18:39, por: cdb

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) isolou dez casos de dengue tipo 3 ocorridos no Estado nos primeiros dias deste ano – seis na cidade do Rio e o restante, na Baixada Fluminense e em Niterói. A informação foi divulgada hoje no quarto balanço sobre dengue da Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro. A informação é preocupante porque confirma que o novo tipo de vírus está se espalhando pelo Rio.

A entrada do tipo 3, que também está presente em Roraima, representa uma nova ameaça porque é uma forma do vírus contra o qual toda a população não tem defesa e está suscetível. Os tipos 1 e 2, já existentes no Brasil, só contaminam quem nunca pegou dengue, mas o 3 pode causar a doença em qualquer pessoa. Além disso, o novo tipo apresenta outro perigo, o de crescimento do número de casos de dengue hemorrágica. Isso ocorre porque quem já teve um dos outros dois tipos do vírus tem mais chance de desenvolver dengue hemorrágica. O balanço da secretaria confirma que a dengue já matou cinco pessoas na cidade do Rio.

No município, foram notificados até hoje 2.338 casos, 35% dos 6.676 registrados no Estado. A dengue hemorrágica, causadora das cinco mortes, já contabiliza 119 casos no Estado – quase a metade do total registrado em todo o ano passado. Quatro das cinco vítimas eram moradoras da zona norte do Rio, em alguns dos bairros que lideram em número de casos da doença na cidade. A quinta e única vítima da zona sul morava na favela da Rocinha.

Os cinco bairros recordistas em casos são Tijuca (155), Caju (121), Vila Isabel (95), Bonsucesso (83) e Ramos (81). No Estado, a epidemia continua concentrada na Região Metropolitana do Rio, que engloba a cidade e os municípios vizinhos, como a Baixada Fluminense e Niterói. Dos 6.676 casos, 6.154 registros referem-se à Região Metropolitana, afirma o boletim da secretaria.

Para tentar conter a epidemia, a Fundação Nacional da Saúde, órgão do Ministério da Saúde, prepara uma grande operação que vai envolver cerca de 2.000 agentes e terá a participação de 600 soldados do Exército. A partir do próximo dia 4, a Funasa pretende conter a epidemia no Rio de Janeiro e nos municípios vizinhos. Mas algumas ações locais já começam a surgir.

A Prefeitura de Duque de Caxias, por exemplo, pretende levar o combate à dengue às escolas. Cerca de 35 mil alunos da rede municipal de ensino serão treinados para ensinar os próprios pais como evitar o mosquito. Segundo a Secretaria de Saúde de Caxias, 70% dos focos de proliferação do inseto estão dentro das residências. Os alunos entrarão em campo em fevereiro, quando retornam às aulas.