Financial Times elogia trabalho do ministro Furlan

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 3 de julho de 2003 as 11:28, por: cdb

O jornal britânico Financial Times, em reportagem publicada nesta quinta-feira, afirma que, em meio ao desemprego, à ameaça de recessão e à queda da economia global, o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, é um dos poucos ministros que tem apresentado boas notícias para o Brasil nos últimos tempos.

Segundo o diário britânico, o anúncio nesta semana do aumento de 33% das exportações, além do superávit comercial superior a US$ 10 bilhões no primeiro semestre, “foi particularmente doce” para o ministro.

“Como um ex-empresário de sucesso, ele é homem singular no governo de classe trabalhadora do presidente Luiz Inácio Lula da Silva”, publicou o jornal.

Em entrevista ao FT, Furlan mostrou cautela, admitindo que o crescimento das exportações provavelmente vai desacelerar nos próximos meses após a valorização do real.

– Se isso fosse um jogo de futebol, nos estaríamos jogando para manter o resultado na segunda metade do ano – disse o ministro.

Segundo o FT, em contraste aos seus antecessores, Furlan começou a cortar a burocracia e a negociar pessoalmente a remoção de barreiras comerciais e a abertura de novos mercados.

– Eu odeio burocracia, não gosto de enviar cartas, eu acredito no contato pessoal, na química entre as pessoas.

Nas últimas semanas, o ministro fez diversas viagens internacionais acompanhando exportadores nas missões comerciais e vendendo o que ele chama de “uma nova visão corporativa do Brasil”.

Furlan disse que o seu cargo “não é muito diferente” de sua antiga posição de presidente da Sadia. “Apenas que agora eu tenho 170 milhões de acionistas”, disse o ministro.

Segundo o diário britânico, durante os seus primeiros dias no cargo, Furlan não se enervou pelas repetidas chamadas do presidente, “que parecia o estar testando”. Furlan afirmou que se sente hoje “muito confortável e muito bem adaptado” ao posto de ministro.