Fim do prazo de Bagdá é aguardado

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 19 de março de 2003 as 14:50, por: cdb

Membros armados do partido Baath, de Saddam Hussein, se dispersaram nesta quarta-feira por toda Bagdá em uma demonstração de força em quanto outros residentes da cidade se refugiaram em suas casas aguardando o final do prazo dado pelo EUA para que os líderes iraquianos deixem o país.

Os oficiais continuavam esperançosos que Saddam permaneceria e lutaria. “Nos dedicaremos ao martírio em defesa do Iraque sob sua liderança”, declararam membros do parlamento iraquiano em uma sessão extraordinária nesta quarta-feira para anunciar total lealdade ao líder iraquiano.

O presidente do Parlamento Saadoon Hammadi, falando na abertura da sessão disse que o “povo do Iraque, de livre e espontânea vontade, escolheu de forma clara e decisiva seu líder de guerra Saddam Hussein, presidente do país. Saddam é o honesto defensor dos princípios mais nobres”.

Dezenas de membros do Baath, em seus uniformes verde-olivas e armados com fuzis kalashnikovs, se dispersavam em grupos de quatro ou cinco a caminho de Bagdá.

Alguns deles ficariam refugiados atrás de centenas de sacos de areias, em fortes erguidos nas duas últimas semanas em torno da cidade.

Acredita-se que milicianos do Baath receberiam a missão de defender a lei e a ordem em Bagdá e em outras cidades do Iraque em caso de guerra.

O presidente americano George W. Bush deu a Saddam e seus filhos até as 22h15 desta quarta-feira (horário de Brasília) para abandonar o país ou enfrentar um ataque. Cerca de 300 mil soldados americanos e britânicos estão de prontidão na região do Iraque aguardando uma ordem para a invasão do país.

O governo no Iraque repudiou nesta quarta-feira o ultimato dado pelos EUA, em uma reunião conjunta do conselho do comando da revolução e da liderança do Baath. A reunião foi presidida por Saddam Hussein.

Perguntado nesta quarta-feira, após a sessão do Parlamento, se Saddam se curvaria diante do pedido dos EUA, Hammadi disse: “será na frente de todos. Lutará e guiará nosso país à vitória. Isto [aceitar o ultimato] é absolutamente impensável”.

O parlamentar é um mero “carimbador” de Sadaam. O conselho comandado por Saddam e o partido socialista árabe, Baath, têm a palavra final no país

Em Bagdá, o ministro da Informação, Mohammed Saeed al-Sahhaf disse nesta quarta-feira que Washinton iludia as tropas americanas sobre o número de vítimas que aconteceria em um combate.

“Nós dizemos aos soldados e oficiais americanos no Kuwait ou onde quer que mais possam estar: “abram seus olhos e estejam alerta às mentiras da administração americana… (para dizer que) invadindo o Iraque será como um piquenique é uma idéia estúpida.”