FHC é contra suspensão da TEC no Mercosul

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 1 de outubro de 2001 as 09:40, por: cdb

O presidente Fernando Henrique Cardoso é contra a suspensão temporária da Tarifa Externa Comum (TEC), que classifica como “uma das principais estruturas do Mercosul”, conforme desejo expresso do governo argentino. Apesar disso, o presidente admitiu a possibilidade de uma nova análise da TEC, diante das circunstâncias especiais, abrindo exceções para alguns produtos de menor peso comercial no bloco.

No entanto, o presidente afirmou que a TEC não pode ser transformada numa peneira.

– Obviamente não podemos concordar em transformar a TEC numa peneira. Toda perfurada, não. Aí temos que negociar com franqueza. Mas se o objetivo é, como estou seguro, da preservação do mercado comum, da idéia do Mercosul, nós temos que também negociar com franqueza o que é
aceitável e o que não é – disse o presidente.

Para ele, é importante o fortalecimento do Mercosul, que tenta deslanchar negociações com a União Européia e os Estados Unidos. Principalmente diante da possibilidade de agora se tornar mais fácil a aprovação do fast track pelo Congresso dos Estados Unidos, o que abriria caminhos para a criação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca).

– Precisamos examinar aí em casos concretos, porque normalmente essas medidas dizem respeito a um comércio que na verdade é um pouco marginal ao grosso do comércio – disse Fernando Henrique.

Fernando Henrique destacou que o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Sergio Amaral, e o ministro das Relações Exteriores, Celso Lafer, já esclareceram que a posição é por uma “calibragem da TEC”. Ele lembrou que muitos dos produtos abrangidos pela tarifa não têm grande expressão financeira e, nesse caso, poderiam ter a situação rediscutida.

O presidente retorna ao Brasil na terça-feira.