Fernando Henrique Cardoso fala sobre Lula

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 29 de setembro de 2003 as 00:59, por: cdb

A liberdade de andar sozinho pelas ruas é a principal vantagem que Fernando Henrique Cardoso vê no fato de não ser mais presidente do Brasil.
 
FHC voltou a dizer que sente falta da piscina do Palácio do Planalto, além da relação que mantinha com setores como a magistratura e o Congresso.

Em entrevista ao programa Manhattan Connection, o ex-presidente disse que acompanhou o discurso do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na Organização das Nações Unidas (ONU) pela televisão. Ele criticou a duração do discurso de Lula.
 
– Para um discurso em português, ficou meio longo – disse o ex-presidente.

Fernando Henrique comentou o que ele chamou de ‘continuidade’ e da ‘posição altiva’ da política externa brasileira. Para ele, as posições e interesses defendidos são os mesmos do seu Governo. Ao comentar a reunião da Organização Mundial do Comércio (OMC) que ocorreu este mês em Cancun, o ex-presidente foi categórico:
 
– Se o Brasil não entrar na Alca, não há Alca.
 
O sociólogo falou ainda sobre a entrada do Brasil no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), mas salientou a necessidade de mudanças na entidade.

Sobre o Governo do presidente Lula, Fernando Henrique disse que, na época após a eleição, havia uma preocupação sobre a responsabilidade financeira que se mostrou infundada.
 
– Eu esperava mais novidade – disse.
 
Perguntado sobre em quem votaria nas eleições presidenciais dos Estados Unidos (entre a senadora Hillary Clinton, o general da reserva Wesley Clark e o atual presidente, George W. Bush), ele disse que votaria em Hillary, mas ressaltou que ela não teve uma posição firme com relação à invasão do Iraque, e elogiou a ‘boa pinta’ de Clark.

O ex-presidente respondeu a críticas por ter levado país da nona economia do mundo para a 13ª posição, e culpou a desvalorização do dólar pela queda. Sobre a criação de empregos, ele disse que o que o Governo pode fazer é criar condições para o crescimento da economia.
 
– O que me preocupa é a falta de investimentos – disse Fernando Henrique .

O ex-presidente ainda salientou as mudanças realizadas na relação com o Congresso.
 
– A casa ficou em ordem – declarou.

Sobre as críticas dirigidas a seu Governo, Fernando Henrique disse que o principal erro estava na falta de comunicação. Os partidos da situação não souberam defender adequadamente o Governo e que era difícil explicar as ações.