Felipão convoca a seleção para a Copa do Mundo. Sem Romário

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 6 de maio de 2002 as 23:51, por: cdb

De nada adiantou o mutirão nacional dos torcedores pela convocação de Romário. O atacante foi esquecido pelo técnico Luiz Felipe Scolari, que anunciou, nesta segunda-feira, a lista dos 23 jogadores brasileiros que disputarão a Copa do Mundo de Futebol. E, muito menos ainda, de nada adiantou o choro de Romário, que, na contagem regressiva para a convocação final, em meio a lágrimas, pediu desculpas ao treinador por seu comportamento vez por outra explosivo.

“Eu tenho o cargo de técnico e tenho a escolha. Se não for isso, vamos ter que colocar 170 milhões de torcedores no comando da seleção”, declarou Scolari, reafirmando que não se incomoda com a pressão da torcida. A menos que algum jogador se contunda antes do prazo final para a inscrição da delegação junto à Fifa, Scolari não fará qualquer alteração na lista de convocados.

“Eu só mudaria a equipe por contusão ou por problema de integração de um jogador com os demais. Se alguém não se sentir integrado, pode sair. Ou se não estiver apresentando um trabalho adequado. Mas não acredito que isso vá acontecer”, disse.

O treinador deu a entender que jamais ficou na dúvida sobre chamar ou não Romário para o Mundial do Japão e Coréia do Sul. Ultimamente, Scolari dizia ainda não ter se decidido sobre o “vigésimo terceiro jogador”. Mas as opções eram outras. “Minha dúvida era entre Djalminha e Kaká e decidi ontem à noite por Kaká, por ser mais goleador”, explicou.

Diante da insistência dos jornalistas para saber qual foi o critério que o levou a preterir Romário, Scolari foi bastante claro: não se comoveu com o choro do atacante do Vasco da Gama e sua repentina crise de consciência a um mês da convocação. “O que vale é o critério de trabalho tático da equipe. Eu observo a reação do jogador quando ele é convocado, como ele responde a cada solicitação. Neste sentido, Ronaldo foi fantástico”, disse o treinador.

O astro da Internazionale de Milão mereceu elogios à parte de Scolari pelo esforço para se recuperar de consecutivas contusões que ameaçaram sua presença no Mundial. Sobre a volta do meio-campo Vampetta à seleção, Scolari explicou que precisava de um jogador mais experiente para “equilibrar” duas das três outras opções para a área – Gilberto Silva e Kléberson, ambos quase novatos com a camisa canarinha. Já Emerson, da Roma, é titular absoluto no meio-campo e, quase certamente, o capitão da seleção.

Na lateral, Belletti, do São Paulo, ganhou a disputa com Paulo César, do Fluminense, pela vaga – o que significa que o futebol do Rio de Janeiro terá apenas um representante na esquadra nacional, Juninho Paulista, do Flamengo. No gol, Rogério Ceni, do São Paulo, ficou com a terceira vaga, também pretendida por Júlio César, do Flamengo. “A seleção escolhida é a mais correta neste momento”, encerrou Scolari.

Os convocados terão que se apresentar no próximo dia 12. No dia seguinte, realizarão o primeiro treino, em Barcelona. O Brasil estreará na Copa do Mundo em 3 de junho, contra a Turquia. O prazo para a inscrição dos jogadores termina em 21 de maio.

A lista dos convocados
Goleiros: Marcos (Palmeiras), Dida (Corinthians) e Rogério Ceni (São Paulo);

Laterais: Cafu (Roma), Belletti (São Paulo), Júnior (Parma) e Roberto Carlos (Real Madrid);

Zagueiros: Lúcio (Bayer Leverkussen), Roque Júnior (Milan), Anderson Polga (Grêmio), Edmilson (Lyon);

Meio-campo: Gilberto Silva (Atlético Mineiro), Kléberson (Atlético Paranaense), Emerson (Roma) e Vampetta (Corinthians);

Volantes: Ronaldinho Gaúcho (Paris-St. Germain), Juninho Paulista (Flamengo) e Kaká (São Paulo);

Atacantes: Edílson (Cruzeiro), Denílson (Betis), Rivaldo (Barcelona), Luizão (Grêmio) e Ronaldo (Internazionale de Milão).