Fed corta juros para 1,25% ao ano nos EUA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 7 de novembro de 2002 as 00:49, por: cdb

O Federal Reserve, o Banco Central dos Estados Unidos, determinou hoje um corte na sua taxa básica de juros dos atuais 1,75% para 1,25%. É a menor taxa desde 1961.

Foi a primeira vez que o Fed mexeu em suas taxas neste ano. No ano passado, para combater os efeitos da recessão econômica e dos atentados de 11 de setembro, o Fed fez 11 cortes, o último deles em dezembro.

A redução dos juros era defendia nos EUA para tentar reaquecer a economia do país, que se encontra relativamente estagnada. O mercado, no entanto, estava dividido em relação a um corte de 0,25 ponto ou de 0,5 ponto percentual, conforme foi confirmado hoje.

Para países emergentes, como o Brasil, a redução de juros nos EUA estimula os investidores a assumirem risco maior, como no mercado acionário, e procurarem retorno maior fora do país. No Brasil, por exemplo, os juros básicos nominais estão em 21% ao ano, mas o risco do investimento é maior.

A decisão do Fed foi unânime. Todos os 12 conselheiros do Fomc (Federal Open Market Committee, o conselho de política monetária do Fed) votaram a favor da redução.

Entretanto, não é a redução da taxa de juros em si o mais importante, como explica Mauro Schneider, economista chefe do ING: ”Essa medida é uma sinalização de que vai ser mantida a atual política monetária expansionista”.

Quanto à repercussão do corte nos mercados de valores, a tendência é de que o bom humor apresentado pelas principais Bolsas mundiais nas últimas semanas se mantenha.

Último corte

Os formuladores de política do Fed, entretanto, sinalizaram que provavelmente permanecerão neste nível após o corte, dizendo que os riscos à economia estão balanceados entre fraqueza e inflação.

Pela segunda vez consecutiva, o Fed citou incertezas decorrentes da possibilidade de guerra com o Iraque como um dos fatores que estaria detendo a economia.

Dados recentes sugerem que a lenta recuperação da recessão do ano passado pode não ser sustentável -as novas encomendas de bens manufaturados de alto valor estão caindo, as vendas de automóveis novos em outubro recuaram em relação ao mesmo período de 2001 em um sinal preocupante sobre o gasto do consumidor e em outubro ocorreu o segundo declínio consecutivo nos postos de trabalho fora do setor agrícola.