Fecomércio-RJ espera aumento do consumo neste fim de ano

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 3 de novembro de 2003 as 18:46, por: cdb

O Natal será a melhor data festiva para o comércio este ano, aposta o economista Luiz Roberto Cunha, diretor do Instituto Fecomércio-RJ. Ele estima um aumento das vendas de 2% a 5% no Rio, em relação ao Natal passado.

Como no fim de 2002 o comércio havia sentido uma queda de quase 3%, a recuperação deste ano será, na prática, uma volta aos níveis de consumo de 2001.

Categorias de trabalhadores estão conseguindo, nas negociações salariais, recompor as perdas com a inflação passada. Alguns obtiveram aumento de salário acima da inflação. Se essa conquista fosse generalizada, a recuperação do comércio seria bem maior. Mas a falta de um dissídio vantajoso não vai excluir grupos de trabalhadores da retomada das compras.

Segundo Cunha, o fato de a prestação caber no bolso do consumidor estimula as compras. Com as recentes medidas anunciadas pelo governo para incentivar o crédito, os juros das prestações devem cair e os prazos para pagamento ficarão maiores.

Com essa combinação, o valor das prestações será reduzido. Às vésperas do Natal, por exemplo, deve estar a todo vapor o financiamento concedido pelos bancos ao consumidor com desconto em folha de pagamento.

Essa facilidade vai impulsionar a compra de bens de consumo duráveis, como eletroeletrônicos e móveis. Portanto, o valor do gasto médio do consumidor neste Natal deve ser maior.

A inflação, que corroeu a renda dos trabalhadores neste ano, também está controlada. Mas Cunha lembra que o consumo sem investimento sustentado e sem uma geração de emprego significativa é uma “bolha”. Portanto, o reaquecimento não será sustentado se a economia não crescer. O economista, no entanto, está otimista:

– Se há uma bola de cristal dos economistas, uma certeza é de que 2004 será um ano melhor que 2003 para as vendas – diz.