Família de soldada morta pede que irmãs não voltem para o Iraque

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 14 de abril de 2004 as 04:22, por: cdb

A família de Michelle Witmer, uma soldada americana morta na última sexta-feira no Iraque, pediu às Forças Armadas que dispensem suas duas irmãs, também militares enviadas ao país árabe, de ter que voltar ao Iraque.

John e Lori Witmer, pais de Michelle, de 20 anos, que será enterrada nesta quarta-feira na cidade onde morava, New Berlim, Wisconsin, fizeram um último pedido para que as filhas Charity e Rachel não tenham que voltar ao Iraque depois do enterro.

Michelle morreu na última sexta-feira, quando o veículo militar em que estava, nas cercanias de Bagdá foi atacado

Segundo o regulamento militar, quando um soldado morre em território hostil e tem parentes próximos também militares servindo no mesmo lugar, estes podem pedir para mudar de posto.
Mas são eles que devem apresentar o pedido, e não outro membro da família.

Lori Witmer afirmou, na última terça-feira, que, embora as filhas sejam as responsáveis pela decisão, é compreensível que queira saber se Charity e Rachel precisarão voltar para o Iraque.

A família pediu aos congressistas de Wisconsin que pressionem o Pentágono para que Charity, irmã gêmea de Michelle e que serve no Iraque como assistente sanitária, e Rachel, que servia como policial militar na mesma companhia da irmã morta, não sejam obrigadas a voltar.

Em tempos de guerra, o Departamento de Defesa pratica a política de dividir os parentes em destinos distintos. Esta medida teve origem na Segunda Guerra Mundial, depois que três irmãos, que prestavam serviço na mesma embarcação, morreram no ataque japonês a Pearl Harbor.