Família de onze vítimas mortas em Israel processam Arafat

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 9 de março de 2003 as 13:18, por: cdb

Os familiares das 11 vítimas de um atentado perpetrado por um suicida palestino, há um ano no café “Moment” de Jerusalém, apresentaram neste domingo, uma queixa judicial contra o presidente palestino, Yasser Arafat.

Os demandantes, em nome dos 11 mortos nesse atentado, exigem uma indenização geral por um equivalente de mais de 25 milhões de dólares à Autoridade Nacional Palestina (ANP).

O ataque, sustentam os parentes em sua demanda, foi cometido “por inspiração e consentimento da ANP”. Mais de 50 civis ficaram feridos.

A Cooperativa de ônibus Egged também abriu recentemente um processo contra Arafat, por um equivalente de mais de 100 milhões de dólares, com o argumento de que seu Governo é responsável pelas perdas ocasionadas por dezenas de atentados de suicidas palestinos residentes em territórios palestinos sob controle da ANP e a redução de suas operações devido a isso.

A nova queixa foi apresentada ao tribunal do distrito de Jerusalém.

O último atentado desse tipo aconteceu na quarta-feira passada em um ônibus de Haifa quando circulava pelo monte Carmelo. Um suicida da Resistência Islâmica (Hamas) se imolou e causou a morte de 16 passageiros, além de ferir mais de 60 pessoas.

Depois da primeira “Intifada” (1987-1991), o alçamento contra a ocupação israelense em Gaza e na Cisjordânia, também vítimas palestinas da repressão militar israelense nesses territórios ocupados, recorreram a tribunais desse país para exigir indenizações, e alguns tiveram sucesso.

Por uma disposição judicial, e com motivo da atual segunda Intifada, que dura quase dois anos e meio, as autoridades israelenses foram eximidas de atender a essas demandas.