Fabia Bercsek mistura xamanismo e Cher em sua estréia na SPFW

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 24 de janeiro de 2005 as 20:44, por: cdb

Dizem que os egos do mundo da moda já destruíram muitas carreiras promissoras. Talvez por isso, Fabia Bercsek tenha feito sua estréia nesta segunda-feira, na São Paulo Fashion Week, invocando os antigos ensinamentos dos xamãs e o reencontro do homem com os elementos da natureza.

Uma platéia ansiosa espalhou-se por arquibancadas de uma das salas da Bienal para conferir os looks da estilista ao som de Cher, que inspirou Fabia por “viver os ciclos da vida e ter passado por mudanças de personalidade artística”.

A nostalgia de um mundo mais compreensível e simples pontuou a coleção, que tirou do armário do tempo as batas, as polainas, os longos cabelos trançados e as saias rodadas e compridas.

O toque étnico-indígena ficou por conta de calças de couro, jaquetas e camisetas com franjas, além de enormes brincos e pingentes em forma de pena.

A estilista, que foi assistente de Alexandre Herchcovitch, utilizou-se da sobreposição de camisetas, camisas e malhas para passar uma sensação de conforto ao pé da fogueira. Também combinou tecidos, como veludo, algodão e organza, para transformar a mulher de vida mais rústica na exigente cidadã globalizada de nossos dias.

Em relação às cores, ela quebrou a seriedade do marrom e do cáqui com peças mais leves em lilás, salmão e amarelo.

Nos pés, botas de cano longo e salto revezaram-se com sandálias, ambas acompanhadas de polainas.

Uma leitura incomum, de referência indígena, do tradicional vestido de noiva surpreendeu — e agradou — a platéia ao final do desfile.