Exército turco invade norte do Iraque

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 21 de março de 2003 as 23:02, por: cdb

Cerca de mil soldados turcos cruzaram nesta sexta-feira a fronteira com o Iraque, ingressando na região curda no norte, num evidente desafio aos EUA, seu aliado na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). A Turquia anunciou o envio de suas tropas ao Iraque poucas horas depois de o secretário americano de Estado, Colin Powell, ter deixado claro que os EUA não estavam dispostos a aceitar a exigência turca de enviar soldados para as áreas curdas do país vizinho.

“Não vemos necessidade de qualquer incursão turca no norte do Iraque”, frisou Powell.

O governo americano não comentou imediatamente a incursão. O ministro da Defesa britânico, Geoff Hoon, comentou que “um número limitado” de forças turcas poderia penetrar no norte do Iraque, mas negou que isso seja parte de um acordo entre a Turquia e os EUA e a Grã-Bretanha. “Certamente é possível que , no marco dos esforços para preservar as fronteiras, para resistir à instabilidade, haja um númro limitado de forças turcas no norte do Iraque”, delarou Hoon à emissora britânica BBC.

“Mas a Turquia, como a Grã-Bretanha, tem a clara intenção de preservar as fronteiras do Iraque tal como estão e a integridade territorial do Iraque.”

O governo turco alegou que o objetivo é conter um fluxo de refugiados para seu território. Na verdade, o país quer evitar que um levante dos curdos iraquianos leve à criação do Curdistão, o que poderia influenciar a população dessa etnia que vive no sudeste da Turquia. O ingresso de mais forças turcas pode desestabilizar a região, pois os líderes da minoria curda iraquiana ameaçaram reagir se isso ocorresse.

A Turquia já mantém um pequeno contingente militar no norte do Iraque, perto de sua fronteira. Eles realizam incursões contra militantes seapratistas curdos turcos que se refugiam do lado iraquiano. A população curda é majoritária no extremo norte do Iraque e administra de modo autônomo essa região desde o fim da Guerra do Golfo, em 1991, quando os EUA e a Grã-Bretanha estabeleceram uma zona de exclusão aérea no norte do Iraque.

Os EUA pretendem abrir uma frente terrestre no norte iraquiano, através do sudeste da Turquia. Entretanto, a Turquia impôs como uma das condições para permitir a entrada de 62 mil soldados americanos em seu território que as suas forças também pudessem entrar no Iraque.

Os curdos do Iraque apóiam a entrada das tropas dos EUA na região. Washington advertiu anteriormente à Turquia que, se enviasse soldados para lá, se arriscará a um enfrentamento com as forças americanas.

ESPAÇO AÉREO

O Parlamento turco aprovou na quinta-feira o uso do espaço aéreo do país pelos EUA. No entanto, o governo só sancionou a medida hoje, pois queria vincular a permissão de sobrevôo com a anuência dos americanos à incursão de suas tropas no Iraque. A rede de TV a cabo CNN informou à noite que os sinais sobre o uso do espaço aéreo eram confusos.

Citando como fontes funcionários do Pentágono, a emissora assinalou que aviões americanos que partiam para ataques ao Iraque, cruzando a Turquia, tiveram de regressar no último minuto porque a autorização de sobrevõo não havia sido concedida. Os aviões pegaram então outra rota, passando pela Península do Sinai, no Egito, o sul de Israel e a Jordânia.

Há também negociações sobre a exigência da Turquia de que os militares americanos informem de antemão o tipo de avião que sobrevoará seu território, sua missão e destino. Os EUA querem usar o espaço aéreo sem prévias notificações, mas o governo turco teme que eles aproveitem a permissão de sobrevôo para transportar os seus soldados para o norte do Iraque. Outra reivindicação americana é a de uso de sua base aérea em Incirlik, na Turquia, para reabastecimento.

Os EUA haviam oferecido no mês passado um pacote de empréstimos e ajuda econômica de mais de US$ 15 bilhões para a Turquia permitir o ingresso dos soldados americanos, mas o Parlamento turco rejeitou o acordo. Esta semana, Powell disse que essa ofer