Exercício ajuda a recuperar equilíbrio do corpo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 5 de junho de 2006 as 13:27, por: cdb

Pessoas que sofrem constantemente com tonturas ou vertigens, sintomas típicos de alguma disfunção do sistema vestibular – como a labirintite, por exemplo- têm à disposição uma terapia que pode dispensar o uso de medicamentos: a reabilitação vestibular. Trata-se de uma série de exercícios físicos realizados com acompanhamento médico que tem como objetivo “reeducar” o organismo a ter equilíbrio.

O sistema vestibular é um dos principais responsáveis pela orientação espacial e pelo equilíbrio corporal de uma pessoa. Ele é composto por uma parte periférica -que compreende o labirinto e os nervos vestibulares- e uma parte central -que inclui várias conexões com o sistema nervoso.

– O labirinto é o órgão que vai detectar os nossos movimentos da cabeça e mandar sinais para a estrutura central. Lá, esses sinais serão processados junto com as informações visuais e de postura corporal para que o espaço seja mapeado. Dessa forma é que estabelecemos o nosso equilíbrio – explicou o otoneurologista Fernando Ganança, chefe do setor de reabilitação vestibular da Unifesp.

Quando o labirinto apresenta alguma disfunção -seja ela metabólica, vascular, hormonal ou por traumatismos- essas informações (de movimento e visuais) serão decodificadas de maneira errada, o que vai desencadear o principal sintoma do distúrbio do sistema vestibular, que é a tontura.

Depois de diagnóstico feito por um médico, a reabilitação é indicada para estimular um fenômeno chamado neuroplasticidade (ou plasticidade neural), que é a capacidade dos neurônios de se transformar e de se adaptar de acordo com as exigências do organismo.
São exercícios específicos -que envolvem os olhos, a cabeça e o corpo-, feitos diariamente, que forçam o sistema a voltar a funcionar corretamente e, dessa forma, permitem que a pessoa pare de ter tonturas ou vertigens.

– Com a repetição dos exercícios, o organismo é capaz de recuperar o equilíbrio [mesmo com uma parte do labirinto lesada] de tal forma que ele volta a ter uma resposta adequada – afirmou a fisioterapeuta e gerontóloga Angélica Peixoto.

Uma bailarina ou uma ginasta, por exemplo, conseguem fazer várias piruetas ou equilibrar-se em uma trave sem cair e sem sentir tontura de tanto treinar os sistemas envolvidos com a manutenção do seu equilíbrio corporal.

<b>Indicações</b>

Os especialistas estimam que pelo menos 50% dos pacientes com alguma disfunção do labirinto têm indicação para fazer os exercícios de reabilitação.

Segundo a otoneurologista Roseli Saraiva Moreira Bittar, responsável pelo ambulatório de reabilitação vestibular do Hospital das Clínicas de São Paulo, a indicação da terapia independe da gravidade do problema no labirinto, mas deve ser feita sempre por um profissional especializado, depois do diagnóstico correto da doença.

– É importante que o paciente comece no consultório e depois continue os exercícios em casa. Sem treino, a terapia não tem eficácia. Como terapia suplementar, não há dúvidas que é a melhor opção para os portadores de vestibulopatias – disse.