Executiva do PMDB, em nota oficial, apóia protesto de Garotinho

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 4 de maio de 2006 as 10:11, por: cdb

A Executiva Nacional do PMDB divulgou, nesta quinta-feira, a moção de apoio aprovada na noite desta quarta ao pré-candidato do PMDB à Presidência, Anthony Garotinho, que está em greve de fome desde domingo. No texto, o partido afirma que o ex-governador está sendo vítima de uma “campanha mentirosa e sórdida, que tenta desconstruir a sua imagem como administrador, homem público e ridicularizar suas posições cristãs e éticas”, e condiciona o fim da greve à instituição de uma supervisão internacional e à cessão de espaço para resposta.

Leia a íntegra da nota:

“A Executiva Nacional do PMDB aprovou, por unanimidade, moção de apoio ao pré-candidato do PMDB à Presidência, Anthony Garotinho, que está em greve de fome desde domingo (30/04), como forma de protesto contra o que chamou de perseguição, a campanha mentirosa e sórdida, que tenta desconstruir a sua imagem como administrador, homem público e ridicularizar suas posições cristãs e éticas. Todas as articulações neste sentido são patrocinadas pelo sistema financeiro, os bancos e a grande mídia, liderada pelas Organizações Globo e pela Revista Veja, com o indisfarçável incentivo do governo Lula. Ele tem recebido apoio da família, de amigos, correligionários e lideranças peemedebistas.

“A decisão de Garotinho foi anunciada à imprensa, num pronunciamento feito na sede do diretório regional do PMDB do Rio. Ele estava ao lado da governadora Rosinha Garotinho e de militantes do partido. Logo após o pronunciamento, Garotinho começou a greve de fome, na própria sede do PMDB e será acompanhado por uma equipe médica. O ex-governador só suspenderá o protesto sob duas condições: 1) até que seja instituída uma supervisão internacional no processo político-eleitoral brasileiro, assegurando a igualdade de tratamento a todos os candidatos, com acompanhamento de instituições nacionais que tradicionalmente defendem a democracia; 2) que os veículos de comunicação que fazem calúnias cedam o mesmo espaço para que a população possa conhecer a verdade dos fatos”.