Ex-ministro boliviano pede mais rigor com Petrobras

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 15 de novembro de 2006 as 14:02, por: cdb

O ex-ministro de hidrocarbonetos da Bolívia, Andrés Soliz Rada, pediu aos congressistas bolivianos que sejam mais rigorosos com as transnacionais de petróleo com investimentos no país. Na carta aberta ao Parlamento, a Petrobras foi o principal alvo de suas críticas. A empresa brasileira é condenada por ele por querer “contabilizar” as reservas de gás – “que continuará explorando na Bolívia” – nas suas ações nas bolsas de valores e pelo “contrabando” de hidrocarbonetos, entre outras irregularidades.

Soliz Rada fez os mesmos ataques quando era ministro, mas agora pede providências dos legisladores por considerar que suas preocupações não foram incluídas nos novos contratos de nacionalização das transnacionais. Os contratos estão sendo analisados no Congresso Nacional.

No texto, com sete itens, Soliz Rada sugere que os congressistas criem um artigo nos contratos de nacionalização destas empresas “proibindo” que elas “inscrevam” as reservas de gás e petróleo da Bolívia nas bolsas de valores. Na carta, Soliz diz que “as reservas são de propriedade direta, intransferível e imprescindível do Estado”.

Para o ex-ministro, a (estatal) YPFB será a principal beneficiada com a medida, já que deverá passar a emitir bônus “reconhecidos nas bolsas de valores” e que lhe permitirão ter “capital necessário para entrar no controle da cadeia produtiva e nos projetos de industrialização do gás”.

Soliz Rada abre sua carta fazendo críticas à Petrobras – alvo constante de seus ataques quando era homem forte do governo do presidente Evo Morales. Ele disse que enquanto a empresa informava ao “povo brasileiro”, no dia 31 de outubro, que os novos contratos autorizam “contabilizar” as reservas que (a empresa) continuará explorando na Bolívia, no governo boliviano discordaram, afirmando que elas são do Estado.

Na sua opinião, não podem existir “incertezas” sobre a “propriedade” destas reservas que somam, estima, mais de US$ 200 bilhões. Para o ex-ministro, sem estes cuidados a nacionalização de hidrocarbonetos “ficará só no anúncio”.

Na sua carta, o ex-ministro foi ainda mais duro, dizendo que os novos contratos não devem “acobertar os delitos de contrabando, evasão de impostos e calote cometidos por empresas como Andina, Chaco, Repsol e Petrobras” – casos que estão na Justiça, como recordou.
Para Soliz Rada, o governo do presidente Lula só não ajudou a Bolívia no processo de nacionalização porque estava “condicionado” pela Petrobras. Empresa que, como afirmou, vendeu 62% de suas ações para “transnacionais petroleiras”.

O presidente da comissão de desenvolvimento econômico do Senado boliviano, senador Roberto Ruiz Basswerner, do partido opositor “Podemos”, ironizou as afirmações do ex-ministro.

– Essa carta é uma prova a mais de que ele não entendeu o setor. E que também não sabe como funciona o sistema financeiro – , disse.

– Ele acha que ao inscrever estes projetos (de exploração de gás na Bolívia) na bolsa de Nova York estamos transferindo a propriedade dos hidrocarbonetos para os acionistas da Petrobras ou outra empresa. Não é nada disso -, completou.

Para Basswerner, como determinam contratos e as regras do sistema financeiro, a Petrobras só está informando que está em curso um projeto importante que vai gerar dividendos para a companhia.

Diferentemente de Basswerner, o presidente da comissão de desenvolvimento econômico da Câmara dos Deputados, Jorge Silvar Trujillo, do partido oficial MAS (Movimento ao Socialismo), não descarta que as idéias de Soliz Rada sejam incluídas na etapa final da lei, que seria aprovada ainda este ano.