Ex-líder do PCC faz revelações financeiras da facção criminosa

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 10 de outubro de 2003 as 03:57, por: cdb

Cada ‘irmão’ preso contribui com R$ 25 para a facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). O dinheiro arrecadado com os sócios chega a R$ 50 mil por mês. Ele paga os ônibus que levam parentes para visitar presos no interior. Também compra fugas, armas e drogas.
 
Nas ruas, as principais atividades do PCC são o tráfico de drogas e os seqüestros. Essas revelações foram na última quinta-feira por Marco Aurélio de Souza, o Marcão Psicopata, um dos ex-homens-fortes da organização.

Jurado de morte pela atual cúpula da facção, Marcão Psicopata resolveu colaborar com os policiais do Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic) e os promotores do Grupo de Atuação Especial e Repressão ao Crime Organizado (Gaeco). Durante a tarde Marcão depôs no Deic.
 
– Ele já foi o piloto-geral (gerente de todas as penitenciárias dominadas pelo grupo no Estado) e tesoureiro do PCC – afirmou o promotor Márcio Sérgio Christino.

Marcão foi expulso do PCC em dezembro de 2002 por não concordar com Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, que assumiu a direção da facção depois da exclusão de José Márcio Felício, o Geleião, em agosto de 2002.
 
Marcão Psicopata revelou que o dinheiro da organização é pulverizado em diversas contas correntes de parentes e amigos de integrantes do PCC. O objetivo é evitar o rastreamento e bloqueio dos recursos da facção. O que é arrecadado com as contribuições dos ‘irmãos’ presos e dos soltos é centralizado em uma caixinha sob o controle do tesoureiro do grupo.

Segundo o promotor, Marcão também acusou o advogado Mario Sérgio Mungioli de ser pombo-correio dos líderes do PCC. Preso na semana passada, Mungioli estava com bilhetes que revelaram que a facção planejava atentados a bomba contra torres de luz e telefone e contra o metrô de São Paulo, além de seqüestrar uma autoridade do governo do Estado.