Euforia durou pouco nas bolsas européias

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 9 de agosto de 2002 as 11:45, por: cdb

As Bolsas européias estavam operando com fortes oscilações nesta sexta-feira, interrompendo as altas do dia anterior – atribuídas em parte ao fechamento do acordo do Brasil com o FMI (Fundo Monetário Internacional. Os principais índices europeus abriram o dia em alta, refletindo o bom resultado de quinta-feira em Wall Street, mas passaram a cair no meio da manhã.Às 11h00 (7h00 no horário de Brasília), o índice FTSE, da Bolsa de Londres, operava em baixa de 1,09% – revertendo os ganhos de 0,05% registrados no início da manhã. O Cac, de Paris, e o Dax, de Frankfurt, também estavam em queda de, respectivamente, 0,85% e 0,36%. Segundo analistas, a reversão das altas indica que as incertezas nos mercados continuam, e os investidores temem que, depois de três dias consecutivos de alta, Wall Street volte a registrar quedas.Já as Bolsas asiáticas fecharam em alta. O índice Nikkei, de Tóquio, encerrou o dia com ganhos de 2,04% e o Hang Seng, de Hong Kong, avançou 0,52%.O fechamento do índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, com alta de 3% nesta quinta-feira foi atribuído atribuído em parte ao fechamento do acordo do Brasil com o FMI. Segundo analistas, a notícia de que o país vai receber US$ 30 bilhões do Fundo teria sido um alívio para bancos que temiam uma moratória da dívida pública brasileira.A Bolsa de Madri foi uma das mais favorecidas pelo acordo brasileiro graças ao grande número de empresas espanholas que atuam no Brasil. Nesta sexta-feira, o índice Ibex, principal indicador da bolsa espanhola, começou o dia com alta de 0,7%, mas no meio da manhã estava operando em baixa de 0,20%.No Brasil, é grande a expectativa para a abertura dos mercados, que nesta quinta-feira registraram fortes altas.O índice Bovespa fechou o dia com alta de 4,52%, a maior do ano. Os C-bonds, principais títulos da dívida brasileira, tiveram valorização de 1,69%, fechando o dia em 60,25% de seu valor de face. O risco país caiu para 1.759 pontos e o dólar recuou, fechando o dia cotado a R$ 2,91.