EUA tentam pressionar Coréia do Norte sem convencer Seul

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 14 de fevereiro de 2005 as 22:11, por: cdb

Os Estados Unidos querem que seus aliados na Ásia considerem a idéia de pressionar a Coréia do Norte a retomar as negociações para pôr fim aos seus supostos programas de armas nucleares, mas a Coréia do Sul pareceu rejeitar a estratégia depois de conversações entre autoridades nesta segunda-feira.

O chanceler sul-coreano Ban Ki-moon reafirmou seu desejo de dar um enfoque à diplomacia quando– depois de uma reunião com a secretária de Estado dos EUA, Condoleezza Rice– foi perguntado se concordaria em impor pressão ao fechado Estado comunista

Pela primeira vez, na quinta-feira, a Coréia do Norte disse explicitamente que possui armas atômicas e que suspendia sua participação nas conversações que reúnem seis países e cujo objetivo é encerrar um impasse que já dura dois anos sobre o programa nuclear. Os norte-coreanos afirmaram que a iniciativa se deve ao que chamou de hostilidade dos EUA.

Ao ser perguntado sobre uma reportagem publicada pelo jornal New York Times que afirma que nos últimos meses o governo Bush começou a criar novas estratégias para cortar as fontes de renda que ainda restam à Coréia do Norte, Ban mostrou-se pouco interessado na idéia.

“Nesse momento nós precisamos intensificar nossos esforços diplomáticos”, disse a jornalistas depois de uma reunião de uma hora com Condoleezza. “Nós continuaremos nossos esforços por meio de (medidas) pacíficas e diplomáticas.”

A secretária norte-americana também falou com o chanceler da China, Li Zhaoxing, no sábado. Provavelmente será difícil convencer tanto a Coréia do Sul quanto a China a imporem pressão à Coréia do Norte porque ambos temem uma reação de Pyongyang ou o colapso do regime comunista e uma consequente onda de refugiados através das fronteiras.

Comunicados recentes divulgados pelos norte-coreanos provocaram uma enxurrada de consultas entre os membros do grupo de conversações– Coréia do Sul, EUA, China, Rússia e Japão– sobre como persuadir Pyongyang a abandonar suas ambições nucleares.

O porta-voz do Departamento de Estado, Richard Boucher, disse em Washington que os EUA e os outros países concordam que os norte-coreanos estão cometendo um erro ao se afastar das negociações. E acrescentou: “Esperamos que as pessoas analisem as diversas iniciativas que vêm tomando e tentem usá-las para encorajar a Coréia do Norte a voltar às conversações.”

Uma alta autoridade do governo Bush foi mais explícita dizendo que Washington não está defendendo que os países membros do grupo de negociações tomem ações específicas, mas que está deixando bem claro que iniciativas para trazer os norte-coreanos de volta às conversas seriam bem-vindas.

“Esperamos que todos aumentem suas ações diretas com os norte-coreanos e que tentem fazer com que os norte-coreanos voltem para a mesa”, disse a autoridade que pediu para não ser identificada.