EUA temem ‘guerra de propaganda’ no Iraque

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 2 de dezembro de 2005 as 10:48, por: cdb

O governo norte-americano afirmou que está preocupado com as informações de que há uma guerra de propaganda no Iraque, na qual os militares dos Estados Unidos estariam tentando assegurar que suas mensagens alcancem os iraquianos. Segundo informações na imprensa norte-americana que os Estados Unidos estariam realizando uma campanha secreta para “plantar” propaganda positiva na imprensa iraquiana. O jornal Los Angeles Times alegou que os militares norte-americanos teriam pago, em segredo, jornais do Iraque para publicarem artigos divulgando os trabalhos de soldados norte-americanos e iraquianos. Segundo o jornal, muitas das histórias eram apresentadas como relatos noticiosos imparciais feitos por jornalistas independentes.

A Casa Branca afirmou que está preocupada com as alegações do jornal Los Angeles Times.

 – Estamos buscando mais informações com o Pentágono e estamos muito preocupados, precisamos saber quais são os fatos –  disse o porta-voz da Casa Branca, Scott McClellan. Os Estados Unidos, segundo McClellan, são “líderes quando se trata de de promover e advogar uma imprensa livre e independente no mundo todo e vamos continuar a fazer isso”.

 – Deixamos nossa opinião bem clara a respeito de liberdade de imprensa – acrescentou o porta-voz.

Mais cedo, um militar norte-americano no Iraque comentou o caso. O porta-voz militar norte-americano em Bagdá, major-general Rick Lynch, afirmou que os Estados Unidos autorizaram seus comandantes a informarem o público iraquianos, devido ao fato dos insurgentes estarem espalhando o que ele chamou de “mentiras”. Mas, Lynch acrescentou que tudo o que o governo norte-americano disse é baseado em fato e não ficção. Lynch afirmou que o militante mais procurado do Iraque, o jordaniano Abu Musab al-Zarqawi, também está usando a imprensa.

 – Ele está mentindo para o povo iraquiano. Nós não mentimos, não precisamos mentir –  disse.

Segundo as informações do Los Angeles Times relatos sobre o Iraque foram escritos por soldados norte-americanos, traduzidos para o árabe por um empreiteiro do setor de defesa que teria, então, ajudado a colocar estes relatos em jornais de Bagdá. Apesar de muitos deles serem factuais, eles apresentam apenas um lado dos fatos e omitem informações que poderiam prejudicar os Estados Unidos ou o governo do Iraque, segundo o jornal.