EUA rasgam fantasia em relação à Líbia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 30 de março de 2011 as 12:35, por: cdb

Barack Obama Numa entrevista coletiva na Casa Branca, nessa 3ª feira, o presidente Barack Obama rasgou a fantasia com que os Estados Unidos disfarçavam até agora suas pretensões em relação à Líbia.

Obama não esperou nem os EUA e demais potências domesticarem a OTAN e, contradizendo a Organização, anunciou que pode – portanto, pretende – armar, sim, os rebeldes líbios para derrubar o presidente Muamar Kaddhafi do poder em Trípoli.

Já o resto do mundo continua esperando que ele faça o mesmo com os rebeldes que se mantém nas ruas e em manifestações cobram democracia e liberdade no Bahrein, Iêmen, Síria, Jordânia, e quem sabe, se vierem a ocorrer um dia…também, na Arábia Saudita. Mas, aí, para estes, nada, só silêncio dos EUA e cia. Para estes, só repressão via ditaduras e monarquias aliadas e sustentadas por Washington.

Ditador amigo, garantia de acesso a petróleo

Dos EUA não são nada boas as notícias em relação à Líbia, porque além do aviso de Obama ontem, tem-se quase diariamente as ameaças da Secretária de Estado, a belicista Hillary Clinton que, dia sim e outro também reitera: os aliados continuarão bombardeando o país até que o presidente líbio “cumpra a decisão da ONU”.

A decisão, para a sra. Hillary, é a Resolução 1973 que criou aquela ficção de “zona de exclusão aérea” que Tio Sam e aliados diziam que estabeleceriam sobre a Líbia. Mas, que eles também não cumprem já que a Resolução não tratava nem da deposição de presidente nem de apoio a rebeldes líbios, mas sim de proteção à população civil líbia.

Proteção, eu repito, não de bombardeios aéreos e invasão do país por terra e mar para para, ao final e como eu escrevi ontem, se sobrar Líbia, colocar no poder um ditador amigo e ter acesso fácil ao seu petróleo.

 

Comments are closed.