EUA querem zona de comércio com Oriente Médio em dez anos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 10 de maio de 2003 as 09:04, por: cdb

O presidente americano, George W. Bush, anunciou os planos para a criação de uma área de livre comércio entre Estados Unidos e Oriente Médio dentro de uma década.

Bush disse que o objetivo é levar o Oriente Médio para dentro de um “círculo de oportunidade” e “premiar países que procuram amplas reformas políticas e econômicas”.

Diante da platéia presente na Universidade da Carolina do Sul, onde discursou, o presidente americano também afirmou que está determinado a estabelecer a paz entre israelenses e palestinos.

De acordo com Bush, a proposta de criação da área de livre comércio vai levar esperança às pessoas que vivem na região.

Prosperidade

Bush disse que o plano vai assegurar que empresas de pequeno e médio porte tenham acesso ao capital e que a corrupção e a auto-regulamentação sejam substituídas pelo mercado livre e por novas leis.

O presidente americano afirmou que a idéia é fazer com que os países do Oriente Médio sejam capazes de se beneficar do tipo de prosperidade econômica que existe em outras partes do mundo.

No entanto, Bush declarou claro que, antes que isso possa ocorrer, os Estados Unidos querem ver “democracia, direitos humanos e liberdade” em todo o mundo.

– Países árabes devem combater o terror de todas as formas e reconhecer o óbvio, de uma vez por todas, que Israel tem o direito de existir como um Estado judeu em paz com seus vizinhos – disse.

O presidente prometeu que os Estados Unidos vão trabalhar, sem descanso, para garantir que os Estados de Israel e da Palestina possam viver lado a lado, em segurança, prosperidade e paz.

Retrocesso

Apesar do discurso de Bush, especialistas duvidam que qualquer acordo de livre comércio possa dar um impulso à busca pela paz.

– Mudanças econômicas que vêm com o livre comércio podem freqüentemente ser desestabilizadoras e podem dar início a um retrocesso em governos avessos a reformas – disse Daniel Byman, professor-assistente da Universidade de Georgetown.

Os novos planos podem também “colaborar para alguma teoria da conspiração de que os Estados Unidos estão tentando enfraquecer a região”, acrescentou.

Os Estados Unidos já têm acordos de livre comércio com Israel e Jordânia e querem concluir outro acordo com o Marrocos até o fim do ano.

O secretário de Estado americano, Colin Powell, está viajando neste fim de semana pelo Oriente Médio, onde terá encontros separados com os primeiro-ministros israelense, Ariel Sharon, e palestino, Mahmoud Abbas – também conhecido como Abu Mazen.