EUA punem nove empresas por negociarem com Irã

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 28 de dezembro de 2005 as 09:50, por: cdb

Os Estados Unidos impuseram sanções contra nove empresas estrangeiras, seis delas chinesas,  por suposta venda de equipamento ou tecnologia que o Irã poderia usar para fabricar mísseis ou armas químicas. Um porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Adam Ereli, disse que a medida teve com o base “evidências plausíveis”. Segundo Ereli, as companhias ficam proibidas de fazer negócios com o governo dos Estados Unidos. Elas também não conseguirão licença de exportação para comprar determinado tipo de tecnologia de empresas norte-americanas. Duas das companhias são indianas e uma é austríaca. A decisão foi tomada de acordo com uma lei de não-proliferação nuclear para o Irã que foi aprovada em 2000 para bloquear ajuda internacional para o que os Estados Unidos suspeitam serem programas de armas nucleares, químicas e biológicas do Irã. Estados Unidos e União Européia estão estudando a possibilidade de remeter o caso do Irã ao Conselho de Segurança das Nações Unidas. O governo iraniano insiste que seu programa nuclear tem fins pacíficos.

No passado, a China negou que vendia material relacionado a armamentos para o Irã. Ereli disse que as companhias chinesas são: China Aerotechnology Import Export Corporation, China North Industries Corporation, Zibo Chemet Equipment Company, Hongdu Aviation Industry Group, Ounion International Economic and Technical Cooperative Limited e Limmt Metallurgy and Minerals Company. As duas companhias indianas são Sabero Organics Chemical e Sandhya Organics Chemical e a austríaca é Steyr-Mannlicher. As sanções permanecerão em vigor até dezembro de 2007. Um relatório da CIA para o Congresso norte-americano no ano passado disse que o Irã buscava comprar material para programas de armas nucleares e químicas de empresas privadas na Rússia, China, Coréia do Norte e Europa.