EUA preparavam ciberataque contra Irã, diz jornal

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016 as 11:28, por: cdb

 

“Nitro Zeus” era uma das medidas que garantia a Obama uma alternativa à guerra de larga escala contra o Irã, no entanto, este plano teria requerido a participação de milhares de militares e agentes secretos

 

Por Redação, com Sputnik Brasil – de Moscou:

 

As autoridades norte-americanas tinham preparado um plano detalhado de ciberataque contra o Irã caso os esforços diplomáticos falhassem, comunica o jornal The New Tork Times.

Segundo o jornal, o plano “Nitro Zeus”, elaborado nos primeiros anos do mandato de Barack Obama para desativar os sistemas de defesa antiaérea, sistemas de telecomunicações e elementos-chave do setor energético iranianos, foi posto de lado após o acordo de 14 de julho entre o Irã e o sexteto.

A edição nota que o plano foi revelado durante as filmagens do documentário Zero Days, do diretor Alex Gibney
A edição nota que o plano foi revelado durante as filmagens do documentário Zero Days, do diretor Alex Gibney

“Nitro Zeus” era uma das medidas que garantia a Obama uma alternativa à guerra de larga escala contra o Irã. No entanto, este plano teria requerido a participação de milhares de militares e agentes secretos, dezenas de milhões de dólares e colocação de implantes eletrônicos nas redes de computadores iranianos para “preparar o campo de batalha”, no jargão do Pentágono.

Ao mesmo tempo, havia outra variante do “Nitro Zeus” que incluía um ataque contra a usina de enriquecimento do urânio de Fordow. A operação devia ser secreta e, por isso, o presidente podia a sancionar mesmo que não houvesse um conflito aberto entre os países.

A edição nota que o plano foi revelado durante as filmagens do documentário Zero Days, do diretor Alex Gibney, que será mostrado no festival do cinema em Berlim nesta quarta-feira.

Em 16 de janeiro deste ano, os EUA e a União Europeia revogaram oficialmente as sanções que tinham sido impostas em relação ao Irã em 2003. Na altura, as sanções foram decretadas por medo de que o programa nuclear desse país estivesse focado na criação de uma bomba atômica.