EUA pedem imunidade para tropas na Argentina

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 3 de outubro de 2003 as 11:56, por: cdb

O Governo dos Estados Unidos espera que a Argentina conceda imunidade às tropas americanas que participarão das manobras das forças aéreas Águia III, previstas para 27 deste mês no país sul-americano. Assim declarou o subsecretário de Estado para Assuntos Latino-americanos dos Estados Unidos, Roger Noriega, em declarações de Washington ao jornal La Nación.

“Não estamos pedindo nada irregular sobre a questão da imunidade. É algo normal e queremos manter e aprofundar nosso contato com os militares da Argentina e com outros participantes destes exercícios militares”, disse o funcionário.

Noriega falou do assunto em meio à demora do Parlamento argentino em aprovar uma imunidade penal às tropas estrangeiras, entre elas as dos Estados Unidos, que participarem do exercício aéreo. “Se não for possível, podemos transferi-lo (o exercício) a outro território. Talvez o Uruguai esteja disposto a fazer isso”, afirmou o secretário.

Está previsto que as manobras Águia III sejam realizadas na província de Mendoza, na região oeste da Argentina. Para os exercícios também foram convidados contingentes de Brasil, Bolívia, Chile, Paraguai e Uruguai. “É preciso notar que a Argentina tem o status de aliado extra-Otan e esperamos que um aliado possa aceitar esta condição muito normal para participar de exercícios no território argentino”, sustentou Noriega.

Depois de esclarecer que suas palavras não devem ser interpretadas como uma imposição, o subsecretário garantiu que as autoridades americanas sabem que o Executivo argentino “apóia de maneira plena e forte a iniciativa” para a concessão de imunidade às a tropas americanas. “A realidade é que por razões relativas à preparação do exercício, é preciso ter uma resposta muito em breve”, explicou Noriega, para depois dizer que a aprovação da imunidade pelo Parlamento “seria muito importante para aprofundar as boas relações” entre os EUA e a Argentina.

Na quarta-feira passada, fontes governamentais e diplomáticas desmentiram que as manobras serão canceladas devido à falta de consenso entre os legisladores para a concessão de imunidade às tropas americanas, como garantiram alguns meios de comunicação local.

Além disso, essas fontes negaram que os Estados Unidos tenham pedido uma imunidade absoluta para suas tropas com o fim de evitar que qualquer um de seus membros seja detido por alguma determinação do Tribunal Penal Internacional, cuja jurisdição a Casa Branca não reconhece.

O Governo argentino propôs ao Parlamento que a imunidade vigore apenas no âmbito das manobras militares, como se fez em outros exercícios conjuntos anteriores com o consentimento de Washington.