EUA e Turquia discutem uso de espaço aéreo turco na guerra

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 11 de março de 2003 as 17:09, por: cdb

Os governos dos Estados Unidos e da Turquia estão discutindo de forma preliminar o uso do espaço aéreo turco pela força aérea americana em caso de guerra contra o Iraque, disse esta terça-feira, o embaixador de Ancara em Washington, Faruk Logoglu.

“Os EUA ainda não pediram formalmente à Turquia permissão para sobrevoar nosso espaço aéreo ou qualquer outra questão relacionada, embora estes assuntos estejam sendo discutidos em caráter especulatório”, disse Logoglu em declarações à imprensa.

O embaixador lembrou que, caso haja um acordo final, seria necessária uma ratificação do Parlamento turco, que já descartou autorizar o deslocamento a bases turcas de 62.000 soldados americanos que participariam da invasão do Iraque desde o norte.

Quando perguntado sobre um acordo prévio que autoriza os caças dos EUA a utilizarem a base de Incirlik para realizar suas patrulhas na zona de exclusão aérea no norte do Iraque, Logoglu ressaltou que esse pacto é de “natureza exclusivamente defensiva”.

“Este acordo não pode ser incluído em nenhuma operação ofensiva contra o Iraque”, acrescentou o diplomata turco.

A permissão de sobrevôo do espaço aéreo turco facilitaria aos EUA o envio de tropas e equipamento militar para o norte do Iraque, onde o Pentágono acredita ser importante abrir uma frente para que os iraquianos não concentrem todas suas forças no sul do país.

A administração americana continua acreditando que o Parlamento turco realize uma nova votação autorizando o uso das bases e o porta-voz da Casa Branca, Ari Fleischer, disse essa terça-feira que “continuamos pendentes do que decidam” os turcos.

Washington ofereceu a Ancara um pacote global de ajuda econômica no valor de 26 bilhões de dólares em troca da autorização do deslocamento de 62.000 soldados, mas o Governo turco exigiu que a quantia total chegasse a 30 bilhões.

O embaixador turco pediu aos EUA “paciência” com os passos do Legislativo de seu país, a espera também que o novo primeiro -ministro, Recep Tayyip Erdogan -líder do islamista Partido da Justiça e do Desenvolvimento (PDJ)-, forme um novo Governo.