EUA acham que Espanha vai retirar soldados do Iraque

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 2 de abril de 2004 as 12:09, por: cdb

Os EUA levantaram dúvidas nesta sexta-feira de que uma resolução a ser aprovada pela Organização das Nações Unidas (ONU) vá longe o suficiente para convencer a Espanha a não retirar seus soldados do Iraque.

O governo socialista, que assume o comando do país europeu, deve tirar seus 1.300 militares do território iraquiano se a ONU não assumir o “controle político” dele por meio de uma resolução que os norte-americanos prometeram tentar aprovar antes do encerramento formal da ocupação, em 30 de junho.

Mas o secretário de Estado dos EUA, Colin Powell, depois de confirmar pela primeira vez, na quinta-feira, que os norte-americanos dariam apoio a tal resolução, pareceu pouco disposto a transferir para a ONU autoridade suficiente para satisfazer a Espanha.

“Tenho dúvidas sobre se qualquer resolução iria longe o suficiente. O governo espanhol é soberano, livre para tomar suas decisões e nós respeitaremos a avaliação deles,” afirmou Powell em uma entrevista ao East European. Uma transcrição da entrevista foi divulgada nesta sexta-feira.

Segundo Powell, outros parceiros dos EUA no Iraque ”continuam firmes.” O secretário disse ter esperanças de que o primeiro-ministro eleito da Espanha, José Miguel Rodríguez Zapatero, “analisará a situação e talvez chegue a uma conclusão diferente” ao tomar posse, no final do mês.

Segundo diplomatas, porém, a resolução a ser votada pelo Conselho de Segurança da ONU só deve estar pronta no final de abril ou começo de maio. A nova resolução deve aprovar formalmente o novo governo interino do Iraque.

O texto também pretende renovar a autorização para a presença no território iraquiano de uma força multinacional liderada pelos EUA. Pessoas contrárias à política norte-americana dizem que a superpotência continuará a ocupar o país árabe depois de encerrada formalmente a ocupação.