Estudantes começam a receber Bolsa-Atleta em abril

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 18 de janeiro de 2005 as 13:54, por: cdb

Os atletas maiores de 12 anos regularmente matriculados na rede de ensino e que não tenham nenhum tipo de patrocínio, começam a ser beneficiados com recursos do Bolsa-Atleta a partir de abril deste ano. A bolsa será mensal e com duração de um ano, podendo ser renovada.

O ministro do Esporte, Agnelo Queiroz, anunciou hoje a regulamentação da Bolsa-Atleta, uma nova forma de financiamento do esporte brasileiro, que deve beneficiar inicialmente 2 mil jovens atletas. Os recursos somam R$ 5 milhões, que poderão ser ampliados conforme a demanda.

Os benefícios estão divididos nas categorias estudantil, nacional, internacional, Olímpica e Paraolímpica, e correspondem a R$ 300, R$ 750, R$ 1.500 e R$ 2.500, respectivamente. Em todas as categorias os candidatos não podem ter nenhum patrocínio e devem obter o aval da entidade de administração da modalidade.

“O objetivo da Bolsa-Atleta é garantir um financiamento mínimo para o atleta que já tenha algum tipo de rendimento e que não possua patrocínio”, explicou o ministro. Outro ponto que ele destacou é a meta de ajudar a desenvolver as modalidades que não têm “grande retorno de mercado e não têm grande visibilidade”. Para Agnelo, a bolsa dará ao atleta condições de estudar e treinar.

Sobre a fiscalização do ministério do uso dos recursos, Agnelo adiantou que existem “critérios claros e bem definidos para isso”, inclusive com a definição de punições por qualquer informação falsa ou não-cumprimento dos requisitos.

Para o ministro, o número de atletas deve aumentar já para os Jogos Pan-Americanos de 2007, que se realizam no Rio. “Vamos ter muito mais atletas e, sobretudo, desenvolver os talentos que se apresentam”, afirmou. Agnelo lamentou que o país “perde muitos talentos porque os atletas não têm condições de continuar treinando”.

Nesse sentido, ele disse que o ministério está adotando a prática de descoberta de talentos como parte da política de esporte. “Fizemos um piloto no ano passado com nove universidades e 60 mil jovens e este foi o primeiro passo para a criação do nosso Banco de Talentos”, afirmou.