Estradas alternativas estão na mira da FNS

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 22 de janeiro de 2007 as 10:44, por: cdb

No segundo dia da Operação Divisa Integrada, as tropas da Força Nacional de Segurança (FNS) passaram a ter sob sua ‘mira’ as estradas secundárias que ligam o Rio aos demais estados do Sudeste. Essas vias são consideradas rotas alternativas das quadrilhas que transportam armas, drogas e carga roubada. O patrulhamento nesses locais foi montado porque os técnicos da área de Segurança acreditam que os criminosos saibam da presença da FNS nas rodovias federais, como a Presidente Dutra. A idéia é surpreendê-los.

Nem ‘celebridades’ escaparam do cerco. O carro do baterista da banda Titãs, Charles Gavin, foi revistado na estrada RJ-157, em Barra Mansa, quando seguia para a Serra da Bocaina na companhia de um amigo e da mulher, Mariana Roquete Pinto. Apesar do susto, ele aprovou a blitz e até deu autógrafo ao policial que o abordou. Em 1998, após quatro dias de seqüestro, Mariana – então namorada de Gavin – foi resgatada de cativeiro no Morro do Vidigal por agentes da Divisão Anti-Seqüestro, que cantaram para o baterista música dos Titãs que diz ‘polícia para quem precisa de polícia’.

Nesta segunda sairá o  balanço da operação

Hoje a Secretaria de Estado de Segurança vai divulgar um balanço dos dois dias de operação. O comandante da FNS, coronel Aurélio Ferreira Rodrigues, informou ontem que o horário de atuação de seus homens é importante para surpreender os criminosos. Segundo o militar, atuar em horários diferentes a cada dia é estratégico. Por isso, os 170 integrantes da FNS que participam da Operação Divisa Integrada estão trabalhando em turnos alternados, para que não se saiba onde a tropa está atuando.