Estados Unidos criticam Israel por prisão de representante da OLP

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 19 de dezembro de 2001 as 01:13, por: cdb

O governo dos Estados Unidos criticou Israel pela detenção de Sari Nussebeih, o representante da Organização da Libertação para a Palestina (OLP) em Jerusalém o que, segundo os americanos, foi uma medida “provocativa e improdutiva”.

O representante da OLP em Jerusalém foi detido e interrogado por força israelenses e depois liberado na última segunda-feira. Nussebeih é considerado um moderado palestino e foi acusado por Israel de estar promovendo uma reunião ilegal de diplomatas estrangeiros na região leste de Jerusalém, área ocupada por Israel.

Um porta-voz do Departamento de Estado americano afirmou que o governo dos Estados Unidos fez um protesto formal a Israel contra a detenção, ao mesmo tempo que, em Washigton, o secretário de Estado americano, Colin Powell enfatizou que o líder da Autoridade Palestina, Yasser Arafat, contará com o apoio dos Estados Unidos para criar um Estado palestino, desde que o líder da Autoridade Nacional Palestina continue agindo para pôr fim a supostas atividades terroristas contra cidadãos israelenses.

Para reforçar sua condenção ao ato do governo israelense, o governo dos Estados Unidos adiou por mais seis meses a decisão de transferir a sua embaixada em Israel de Tel Aviv para Jerusalém, já que o congresso americano aprovou em 1995 uma projeto de lei que permite a transferência, mas com uma cláusula que permite ao presidente declararar uma suspensão temporária, em nome da segurança nacional dos Estados Unidos.

A cláusula foi usada diversas vezes pelo ex-presidente Bill Clinton, sob argumento de que transferir a embaixada representaria reconhecer a anexação do leste de Jerusalém por Israel. O presidente George W. Bush também já fez uso da cláusula, mas deixou claro que os Estados Unidos estão comprometidos a transferir no futuro a sua embaixada para Jerusalém, que Israel considera a sua capital indivisível.