Estado tem Dia D de vacinação de idosos contra gripe

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 28 de abril de 2006 as 11:34, por: cdb

Será neste sábado, em todo o Estado do Rio o Dia D da Campanha de Vacinação de Idosos contra a Gripe, com os postos abertos das 8h às 17h nos 92 municípios.

Iniciada na segunda-feira, a campanha tem como slogan este ano “Viva melhor. Vacine-se contra a gripe” e se estenderá até 5 de maio. A meta da Secretaria de Estado de Saúde é imunizar 1.157.689 maiores de 60 anos de idade, o que equivale a 70% da população-alvo de 1.653.841 pessoas dessa faixa etária. No ano passado, foram imunizados em todo o estado 1.325.022 idosos, o equivalente a 80,96% da população-alvo.

– As campanhas têm sido bem sucedidas, com a vacina firmando-se ano a ano como a melhor forma de prevenir os idosos contra a gripe e suas complicações –  disse o secretário de Saúde, Gilson Cantarino.

No Estado do Rio foram disponibilizadas cerca de 1,8 milhão de doses da vacina contra a gripe, distribuídas em 1.310 postos de saúde nos 92 municípios. A campanha conta com oito mil voluntários. Também foram destinadas aos postos 600 mil doses da vacina dupla adulto, que imuniza contra a difteria e o tétano. Esta, porém, só é aplicada nas pessoas que não receberam as três doses indicadas nos últimos 10 anos. Os idosos asilados receberão também a vacina contra pneumonia.

Os técnicos da Secretaria ressaltam que a segurança da vacina é considerada excelente, conforme estudos clínicos realizados no Brasil e no exterior. Ao contrário do que pensam algumas pessoas, não há como a vacina provocar gripe, pois não contém vírus vivos, mas sim mortos e fracionados. Os sintomas de gripe apresentados por alguns idosos após a vacinação podem ter duas explicações: a doença já estava incubada ou o contágio pelo vírus Influenza ocorreu antes de o organismo alcançar o período de proteção proporcionado pela vacina.

Além das raras situações de hipersensibilidade às vacinas ou a algum de seus componentes, as contra-indicações são as seguintes: no caso da vacina da gripe, alergia à proteína do ovo ou ao timerosal, um conservante também encontrado no mercurocromo e no mertiolate; e no caso da vacina contra difteria e tétano, pessoas acometidas pela síndrome de Guillain Barré (doença rara que causa perda de elasticidade e de flexibilidade muscular) nas seis semanas após dose anterior dessa vacina.

Em caso de dúvida, é sempre melhor buscar orientação nos postos ou nas secretarias municipais de Saúde do que simplesmente deixar de se vacinar.