Estabilidade para o Iraque é defendida pela ONU

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 17 de novembro de 2003 as 05:03, por: cdb

O secretário-geral da ONU, Kofi Annan, pediu no último domingo que se trabalhe pela estabilidade no Iraque sem deixar de promover a paz entre israelenses e palestinos. Annan ressaltou que a medida é decisiva, caso se deseje chegar à paz em toda a região.

Em declarações à imprensa após um encontro com o presidente italiano, Carlo Azeglio Ciampi, Annan salientou que a conversa entre ambos se concentrou na ‘complicada situação no Iraque’ e na necessidade de que a comunidade internacional reúna esforços e trabalhe com os iraquianos e os demais Estados da região para estabilizar o país.

Ciampi disse que, depois de encontros em Washington nos últimos dias e da reunião de hoje em Nova York, está convencido de que ‘se deve acelerar nosso apoio para uma aplicação imediata da resolução 1.511’ da ONU.

Esta resolução estipulava, entre outras medidas, a criação de uma força internacional para estabilizar o Iraque e ampliava o mandato da ONU no país, embora boa parte do mesmo esteja em suspenso pela violência, que obrigou a entidade a retirar quase todo seu pessoal internacional.

O presidente italiano, que nos últimos dias se reuniu com o presidente dos EUA, George W. Bush, e o vice-presidente, Dick Cheney, avaliou que ‘apenas desta forma poderemos obter uma transferência gradual de soberania a um Governo iraquiano totalmente representativo e reconhecido’ internacionalmente.

– Interessa a todos atuar tão rápido quanto possível, porque o tempo é crucial – frisou Ciampi, ressaltando ainda a importância da cooperação entre os atores principais, ou seja, o Conselho de Governo iraquiano, a coalizão ocupante e a ONU.

– Isso implica um papel crescente, reforçado e substancial da ONU – declarou o presidente.

Conforme Annan, que acaba de voltar de uma viagem por vários países da América Latina, ele e Ciampi estão convencidos de que ‘um Iraque caótico’, no contexto do Oriente Médio, ‘não vai beneficiar ninguém’. Kofi Annan comentou ainda que se deve fazer todo o esforço possível para ‘garantir avanços’ e pôr fim ao conflito entre Israel e a Palestina.

– Obviamente, sempre defendi que a melhor solução é terra por paz e a aplicação das resoluções das Nações Unidas – ressaltou o diplomata, acrescentando que, embora os esforços se concentrem agora na crise palestino-israelense, não se deve esquecer uma futura negociação com Síria e Líbano.

– Se quisermos ver paz no Oriente Médio, devemos resolver o conflito entre israelenses e palestinos ao mesmo tempo em que trabalhamos na crise iraquiana – insistiu.

Ciampi afirmou, por sua vez, que sem uma solução para este conflito ‘vai se gerar mais extremismo e se alimentará o terrorismo’.

– Portanto, devemos exercer pressão com determinação sobre ambas as partes para que comecem o processo de paz – disse o presidente italiano, que qualificou a reunião com o secretário-geral de ‘curta, mas muito intensa’, reiterando a ‘total confiança’ que a Itália tem nas Nações Unidas.