Especialistas debatem rumos do crescimento

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 5 de dezembro de 2005 as 12:36, por: cdb

O desvio que retirou o Brasil do caminho de se tornar uma grande potência econômica, ao longo dos últimos 30 anos, será tema de uma audiência pública a ser promovida pela Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) nesta quinta-feira, a partir das 10h. O debate contará com a presença do embaixador Rubens Ricupero, do cientista político Hélio Jaguaribe e do economista Pérsio Arida.

Apresentado inicialmente pelo líder do PSDB, Arthur Virgílio (AM), o requerimento de realização da audiência foi aprovado em maio. O tema sugerido pelo senador para o debate vem na forma de pergunta: “Por que, entre 1970 e o começo do século XXI, o Brasil perdeu terreno na luta pelo desenvolvimento econômico e social, quando comparado com países antes menos desenvolvidos?”

Arthur Virgílio recorda, na justificativa de seu requerimento, que o Brasil era, em 1970, o mais promissor entre todos os países em desenvolvimento. Nos últimos anos, porém, o país teria perdido terreno para diversas outras nações em termos de renda per capita, qualidade da educação, desenvolvimento científico e tecnológico, capacidade produtiva e autonomia econômica e financeira.

Os três convidados para buscar os motivos dessa guinada têm tido ampla participação nos debates a respeito das perspectivas do Brasil. Atual diretor da Faculdade de Economia da Fundação Armando Álvares Penteado (Faap), em São Paulo, o embaixador Rubens Ricupero foi ministro da Fazenda e ocupou recentemente a secretaria-geral da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (Unctad).

Eleito membro da Academia Brasileira de Letras, na vaga que foi de Celso Furtado, o cientista político Hélio Jaguaribe é decano emérito do Instituto de Estudos Políticos e Sociais do Rio de Janeiro. O economista Pérsio Arida, por sua vez, é atualmente pesquisador do Centro de Estudos Brasileiros da Universidade de Oxford, na Inglaterra. Doutor em Economia pela Massachusetts Institute of Technology (MIT), dos Estados Unidos, ele foi presidente do Banco Central e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).